Ditadura e cultura
Ditadura destruiu forma de teatro popular no Brasil
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
patriaomuerte_teatropolitico1960_curitiba4
“Pátria o Muerte!”, espetáculo encenado pelo CPC/PR, em Curitiba em 1960 |

O Centro Popular de Cultura da UNE (União Nacional dos Estudantes), criado em 1962, desenvolveu, no seu curto período de existência, um teatro de rua com grande apelo à classe operária.  Uma de suas lideranças era Vianna Filho, o Vianinha, dramaturgo, intelectual e militante do PCB desde os nove (!) anos de idade e o autor teatral mais premiado da história do Brasil.

Antes de se tornar um órgão da UNE, o CPC já estava realizando um teatro operário em outras cidades. É o caso da encenação, por exemplo, do espetáculo “Pátria o muerte”, com texto de Vianinha, e estreia no final de 1960, em Curitiba.

A equipe de teatro do CPC atuava em centrais de fábricas, praças, estações de trem, favelas e era um grande desafio criar uma grande quantidade de peças para um público tão vasto, em tão diferentes espaços. Também tratava de temas novos para o teatro brasileiro como inflação, imperialismo, exploração capitalista de latifundiários. Os textos das peças eram produzidos numa velocidade instantânea. Escreviam roteiros até mesmo a partir das notícias do jornal do dia.

O estrago do banimento do CPC pela ditadura significou a destruição de um movimento artístico inteiro, muito próprio daquela prática junto à classe operária. Entre os pesquisadores de teatro, lamenta-se a quantidade de textos que se perderam. Esse material permitiria uma base mínima para saber qual o lugar do teatro popular do CPC na tradição dessa arte no Brasil. Só em 1992 que algumas dessas peças foram publicadas na obra O melhor teatro do CPC da UNE, por Fernando Peixoto.

Peças como “Cuba si, yanques no” e “Pátria o muerte”, que se perderam totalmente, apresentavam ao espectador uma visão da Revolução de Cuba de maneira inédita ao ponto de o elenco propor discutir com mais profundidade a situação dentro do próprio PCB. Deve-se lembrar que a maioria das pessoas envolvidas com o Centro Popular de Cultura também eram militantes ativos do PCB ou relacionados com o partido.

Numa obra acadêmica de referência como História do Teatro Brasileiro, dirigida por João Roberto Faria, pode se contar nos dedos de uma só mão a quantidade de páginas a respeito do teatro de rua de agitação e propaganda do CPC. A seção do livro que eles chamam “Teatro de resistência” é para um público necessariamente pequeno-burguês e não operário. As apresentações lotam, mas, apesar do pleno desenvolvimento do texto e da encenação de trabalhos do Teatro Arena, comandado pelo futuro exilado Augusto Boal, eles não eram um enfrentamento à ditadura. Quando se lê a respeito, tem-se uma impressão de resistência passiva e sentimental.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas