Ofensiva da direita
A direita se organizar e se mobiliza para enfrentar o agravamento da crise política. Enquanto isso, a esquerda fica escondida em casa e espera a crise passar e o povo é esmagado
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bolsonaro-filha_rep
Bolsonaro vai até os manifestantes que pediam a intervenção militar. Foto: Reprodução Twitter. |

Nesse final de semana, a extrema-direita organizou um novo ato em Brasília pedindo um golpe militar. Dezenas de pessoas foram em carreata até a Esplanada dos Ministérios e terminaram na Praça dos Três Poderes, em frente ao Palácio do Planalto, com a presença do presidente ilegítimo e fascista Jair Bolsonaro.

Esse ato é mais uma manifestação organizada pela extrema-direita em pouco mais de duas semanas e revela uma atividade de organização de um grupo para pedir uma intervenção militar e até formar uma espécie de “milícia” para proteger Bolsonaro. Esse grupo é chamado de “300 do Brasil”.

O ato foi tão radicalizado que nem mesmo os jornalistas da imprensa burguesa – que realizaram uma enorme campanha para a fraude que levou Bolsonaro à presidência – escaparam, e, quando acompanhavam o ato, foram agredidos pelos manifestantes.

E isso ocorre em diversas cidades. Quase todos os dias há relatos de manifestações de empresários que realizam carreatas e se utilizam dos meios necessários para forçar prefeitos e governadores a flexibilizarem a quarentena ou até extingui-las, para que os trabalhadores voltem ao trabalho e o comércio reabra.

Enquanto a direita sai às ruas, organiza manifestações e grupos para enfrentar a situação, a esquerda se resume a poucas ações solidárias, como distribuição de alimentos, e ficar escondida do coronavírus em casa.

Essa decisão da esquerda de ficar em confinamento em vez de organizar a população está resultando num rápido avanço da extrema-direita mesmo com a crise dentro do governo Bolsonaro. Isso podemos ver com o aumento da violência das forças policiais, nos assentamentos e terras indígenas pela pistolagem, ataques aos trabalhadores dentro dos locais de trabalho e, principalmente, na retirada de direitos realizada pelo Congresso Nacional pelos deputados e senadores.

A inatividade da esquerda pequeno-burguesa e a política de deixar o governo Bolsonaro “cuidar” do combate à crise econômica e sanitária do coronavírus está levando a mortes e sofrimento da população pobre e trabalhadora. Isso porque o governo Bolsonaro está colocando milhares de empecilhos para que a população não tenha acesso nem ao “auxílio miséria”, com longas filas, documentação e exigências que a população mais pobre e necessitada do país não consegue cumprir. Para os que estão empregados, são cortados salários e impostas condições de trabalho cada vez piores; e para os que lutam por moradia e terra, só resta a violência da direita.

É preciso reverter com urgência esse quadro. A esquerda pequeno-burguesa precisa acordar e organizar a população contra esses ataques em vez de ficar repetindo a política da burguesia de ficar em casa enquanto a direita realiza todos esses ataques que citamos acima. O primeiro de maio demonstrou quem está disposto a lutar contra a direita e quem busca um acordo com setores golpistas visando às próximas eleições.

A crise do coronavírus está se agravando e a burguesia já está vendo a necessidade de colocar grupos fascistas nas ruas e o fechamento do regime para impor um governo de salvação desse setor e o esmagamento dos trabalhadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas