A favor de Bolsonaro
Em meio ao aniversário de 40 anos do PT, o maior partido de esquerda do país, ficou claro que há uma forte disputa no interior da organização, refletindo a crise política no país.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

No dia 10 de fevereiro, o Partido dos Trabalhadores (PT) completou 40 anos de fundação. Com uma grande festa no Rio de Janeiro, os militantes e dirigentes do partido celebraram a quarta década do maior partido de esquerda do Brasil, que chegou a governar o país durante metade do tempo entre o fim da ditadura militar de 1964-1985 e o golpe de Estado de 2016. A ocasião propiciou que alguns dirigentes e ideólogos vinculados ao PT viessem a público para apresentar seu balanço da atuação do partido ao longo dos anos.

As declarações mais significativas vieram de Tarso Genro, ex-governador do Rio Grande do Sul pelo PT, ex-ministro do governo Lula e pai de Luciana Genro, liderança de uma das alas mais reacionárias do Partido Socialismo e Liberdade. Em entrevista cedida ao portal UOL, pertencente à Folha de S. Paulo, Genro teceu várias críticas ao partido ao qual (ainda) é filiado e disse que não iria à festa de aniversário no Rio de Janeiro.

A entrevista, na qual Tarso Genro se debruça sobre diversos temas, apresenta, de maneira geral, uma tese muito bem definida: a de que o PT deveria mudar para ser mais aceito pelo regime político. Essa, no entanto, não é uma opinião própria de Tarso Genro: é a formulação de uma política que é praticada, ainda que de maneira sorrateira, por uma ala do partido, a ala direita do PT. Afinal, por mais que setores como Humberto Costa (PE) e Rui Costa (BA) estejam agindo frequentemente de maneira contrária aos interesses de suas bases, esses setores, diferentemente do que acontece com Genro, dependem da autoridade do ex-presidente Lula no partido, o que faz com que evitem entrar em atritos em público com as alas mais esquerdistas do PT.

Na entrevista, Tarso Genro defendeu que o PT procurasse organizar uma frente ampla aos moldes da experiência realizada no Uruguai. Essa frente, que freiou a esquerda em um momento bastante favorável para o desenvolvimento de uma política nacionalista, não contribuiu em nada para evitar que o Uruguai caísse nas mãos da direita neoliberal, aliada com a extrema-direita: nas eleições de 2019, o candidato da frente ampla foi derrotado em meio a ameaças de elementos ligados às Forças Armadas.

Para Genro, o PT teria de deixar de ser protagonista na oposição ao governo Bolsonaro. Teria, por algum motivo desconhecido, que se curvar perante partidos sem qualquer vínculo com a classe trabalhadora, como o PDT, ou ainda para partidos que são, legitimamente, representantes da burguesia.

A ala que Tarso Genro quer, de fato, mudar o PT. Mas mudar, para eles, significa destruir o partido: acabar com sua influência na classe operária e transformar em um “novo partido”: um partido sem estrela, sem vermelho e — no fim das contas — sem Lula. Essa é, afinal, a única maneira de colocar PT a reboque da burguesia e, dessa forma, garantir que o regime político tolere o partido. Pode ser que esse tipo de operação faça com que Tarso Genro e outros elementos filiados ao PT consigam manter seus privilégios no regime político. Mas definitivamente a “mudança” no PT seria um desastre para os trabalhadores e todos os setores envolvidos na luta contra o governo Bolsonaro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas