Seria uma vitória?
Analisando a marcha dos acontecimentos, uma vitória eleitoral da esquerda, no mínimo não estaria nos planos dos golpistas bolivianos que contam com apoio massivo do imperialismo.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Candidato presidencial Luis Arce, que lidera as pesquisas na Bolívia
16/10/2020
REUTERS/David Mercado
Luis Arce, candidato do MAS | Reprodução

As eleições na Bolívia suscitaram uma esperança democrática na esquerda. De acordo com as pesquisas de boca de urna, Luis Arce teria vencido com 52% dos votos contra 31,5% de Carlos Mesa. Após o golpe de 2019, onde a extrema-direita implantou um regime de terror e consagrou a fascista Jeanine Áñez no poder, seria a volta da dita democracia?

Analisando a marcha dos acontecimentos, uma vitória eleitoral da esquerda, no mínimo não estaria nos planos dos golpistas bolivianos que contam com apoio do imperialismo. Em todo o caso, não se pode considerar que as eleições se deram em condições normais. Jeanine Áñez e seus asseclas golpistas colocaram militares para patrulhar as ruas, cercaram a sede do Movimento ao Socialismo (MAS) em Cochabamba, um deputado argentino, membro dos observadores internacionais das eleições bolivianas, que participou das investigações do massacre contra os manifestantes que lutaram contra o golpe na Bolívia em 2019 foi preso. Os golpistas não escondem o caráter fascista. O Ministro de governo Arturo Murillo, disse que o deputado argentino era persona non grata, e o impediu de ser um dos observadores internacionais das eleições bolivianas. Vale lembrar que Arturo Murillo se reuniu nos EUA com a OEA, que fraudou as eleições de 2019, dizendo que a fraude teria sido feita por Evo Morales. Porém, pouco tempo depois, o MIT afirmou que a fraude era da OEA.

Não faltaram condições para o MAS lutar contra o golpe e dirigir as massas contra o regime golpista. O partido de Evo Morales governa 6 dos 9 departamentos na Bolívia, tendo a maioria na Câmara e no Senado. Todavia, a capitulação de Evo Morales e do MAS fez com que a extrema-direita tomasse conta do regime. À época, Evo renunciou e entregou o governo aos golpistas. Todavia, apesar das capitulações do MAS, a Central Obreira Boliviana (COB) levou adiante a luta contra o golpe, fazendo diversas manifestações, prometendo, inclusive, uma rebelião popular de caráter revolucionário.

Com o resultado das eleições, a esquerda está defendendo que as eleições derrotaram o golpe. Será mesmo?

A Bolívia vive uma ditadura, os militares ainda têm muito poder e ainda podem dar um golpe como fizeram no ano passado. Além disso, Luis Arce é um candidato que não é igual a Evo Morales, ele é uma esquerda muito moderada e já disse que seu governo não será igual ao de Morales, portanto ele é um candidato mais palatável para a burguesia. De qualquer forma, a situação na Bolívia, como em toda a América Latina, é de uma crise geral do regime político.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas