Medo do povo
Presidente demonstra preocupação com a crise social e econômica provocar uma revolta popular que o tire do poder
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Bolsonaro participou do Fórum de Investimentos Brasil, em São Paulo
Presidente Jair Bolsonaro | Foto: Reprodução

O presidente fascista Jair Bolsonaro declarou na última terça-feira, 29, em encontro com apoiadores nos jardins do Palácio da Alvorada, o seu medo de uma possível revolta popular. Diante da crise econômica aprofundada pela crise sanitária com a pandemia da covid-19, Bolsonaro comentou que aproximadamente 20 milhões de pessoas estarão sem renda a partir de 2021, estando incluídas nesse grupo trabalhadores informais, moradores de rua e beneficiários do Bolsa Família. Tal situação de crise social e econômica poderia, do ponto de vista do presidente, ser aproveitada pela esquerda para “incendiar” o país.

Em um governo de constante crise desde seu início, sendo alvo de críticas de várias partes, incluindo de setores da direita e da burguesia, Bolsonaro, ao mesmo tempos que reclama das críticas, procura adotar uma postura defensiva e conciliatória diante da pressão que os capitalistas fazem sobre ele no momento por conta do programa social Renda Cidadã, elaborado para substituir o Bolsa Família. Apesar de todo o ultraliberalismo da agenda econômica de seu governo e de nos últimos anos ter surfado com o restante da direita na onda do discurso moralista de que o Bolsa Família era compra de voto feita pelos governos do PT, Bolsonaro vê no auxílio-emergencial e no Renda Cidadã uma oportunidade para tentar aumentar sua popularidade.

A adoção de um programa de distribuição de renda gera incômodo na burguesia, já que no contexto atual o pacto de classes foi rompido a partir do Golpe de 2016 e, portanto, os capitalistas querem a aplicação de um programa altamente neoliberal, que acabe até mesmo com os poucos direitos que a classe trabalhadora brasileira conseguiu durante os governos petistas. É essencialmente por conta desta política econômica que a burguesia apoia Bolsonaro.

Tentando chegar a uma conciliação com seus patrões, os capitalistas, e com demais setores que o criticam, o presidente procura alertar sobre o barril de pólvora sobre o qual seu governo está: “Nós temos que ter uma alternativa para isso, porque senão os problemas sociais serão enormes, mas tudo que o governo pensa, ou gente ligada ao governo, ou líderes partidários pensam, isso aí transformam-se em críticas monstruosas contra nós”, afirmou Bolsonaro. Ainda na fala do presidente,“se esperar chegar em 2021 para ver o que vai acontecer, podemos ter problemas sociais gravíssimos no Brasil. Eu estou falando problemas sociais que é uma forma educada para falar distúrbios sociais, que a esquerda pode aproveitar-se disso e incendiar o Brasil”. Apesar de toda a política de terra arrasada feita pelo governo, os capitalistas ainda não estão plenamente satisfeitos com Bolsonaro, como o próprio deixou transparecer ao comentar “alguns falam, pega dos precatórios, vende as estatais… Vender estatal não é de uma hora para a outra assim não. É um processo enorme, e você tem que ter um critério para isso, você não pode queimar estatais, você tem que vender a estatal por uma finalidade”

Bolsonaro demonstrou também preocupação com sua sobrevivência política ao falar “para o pessoal do mercado [financeiro], não estou dando recado para vocês não. Se o Brasil for mal, todo mundo vai mal. Aquele ditado “estamos no mesmo barco” é o mais claro que existe no momento. O Brasil é um só. Se começar a dar problema, todos sofrem. Nós queremos obviamente estar de bem com todo mundo. Nos ajudem com sugestões, e não com críticas. Quando tiver que criticar alguém, não é o presidente: é quem destruiu o emprego de mais de 20 milhões de pessoas. Não queiram estar em meu lugar, agora eu vou fazer o possível para buscar a solução, e digo mais, eu vou com uma máxima militar: pior que uma decisão mal tomada é uma indecisão. Eu não vou ficar indeciso”.

Apesar das recentes pesquisas de satisfação mostrarem uma suposta subida de aprovação de seu governo e de regularmente precisar incitar sua militância visando salvar sua imagem, Bolsonaro com esses comentários mostra seu medo com a revolta dos trabalhadores. A tendência a mobilização nas ruas pela derrubada de seu governo já foi expressa recentemente no atos antifascistas ocorridos em junho, que foram principalmente convocadas pelas torcidas organizadas com a intenção de expulsar os bolsonaristas das ruas. 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas