Menu da Rede

Antônio Carlos Silva

Rui Costa Pimenta

Sobre o Rui

Rui Costa Pimenta nasceu em 1957 em São Paulo. É neto de João Jorge da Costa Pimenta, fundador do Partido Comunista, em 1922, e um dos introdutores do trotskismo no Brasil.

Quando adolescente, viveu durante um ano na Inglaterra, onde teve seu primeiro contato com a literatura comunista. De volta ao Brasil, iniciou sua militância no movimento estudantil quando cursava Jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Foi estudante da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, onde militou na Liberdade e Luta (Libelu), principal agrupamento estudantil trotskista.

Em 1979, participou do XXXI Congresso de Refundação da União Nacional dos Estudantes (UNE). Foi também um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores (PT) no ano seguinte, já militando na Causa Operária – surgida de uma ruptura da Organização Socialista Internacional (OSI) -, que tornou-se a mais combativa corrente interna do PT.

Desde seu início, em 1979, trabalhou na redação do Jornal Causa Operária. Em 1991, após uma forte campanha contrarrevolucionária por parte do setor majoritário do PT, Causa Operária foi expulsa do partido e, em 1995, constituiu-se como partido político, presidido por ele.

Artigo de Rui Costa Pimenta

A CUT e os sindicatos devem agir, por Rui Costa Pimenta

Cabe à direção da Central Única dos Trabalhadores a agir, agir imediatamente e agir com a energia que corresponde à gravidade da situação.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Rui Costa Pimenta

O avanço da epidemia global sobre o Brasil e o agravamento da crise econômica capitalista exibiram em sua plenitude a divisão do País em cidadãos de primeira e segunda classe.

O governo Bolsonaro faz menos que nada. Na realidade, Bolsonaro é a personificação da sabotagem organizada contra o povo brasileiro. Não há nenhum plano de emergência sendo colocado em prática para criar mais leitos hospitalares, obter equipamento médico necessário, testes ou suprir outras necessidades fundamentais.

Os governadores do principais Estados, São Paulo, Rio e Minas Gerais, homens da extrema direita nacional, impuseram como única medida o confinamento da população em suas casas. Não há sequer um sistema de testes para separar os doentes do restante da população, os doentes somente são tratados quando os sintomas chegam a um estágio elevado. Estabeleceram uma ditadura para ocultar que não têm qualquer plano real de contenção da epidemia. Toque de recolher, repressão policial aos moradores de rua e à população. Os fascistas no governo federal estão cogitando decretar o Estado de Sítio. A solução da direita para criar uma aparência de combate ao vírus é estabelecer uma ditadura formal.

Ao mesmo tempo, o transporte público dessas cidades, onde a população viaja espremida, continua a funcionar normalmente. Configura-se aí uma farsa com um resultado desastroso. A burguesia e parte da classe média ficam em casa, alguns inclusive festejando de uma maneira ridícula e macabra este privilégio, enquanto a maioria da população, ou seja, a classe trabalhadora é compelida pelos senhores de escravos modernos a desafiar o vírus todos os dias em transportes lotados e locais de trabalho sem absolutamente nenhuma segurança. O vírus pinta um retrato perfeito da sociedade de classes.

A tudo isso, devemos acrescentar a devastadora crise capitalista. Boa parte dos confinados em seus apartamentos foram obrigados a fechar os seus negócios. Se a situação atual perdurar, vão perder tudo. Mas muito pior é a situação do trabalhador. As demissões estão escalando. Calcula-se que, a curto prazo, teremos mais cinco milhões de desempregados a se juntar aos 20 milhões já existentes – 14 milhões de desempregados oficiais e 6 milhões que desistiram de procurar emprego, aproximadamente. Do gigantesco contingente de subempregados, mais de 40 milhões de pessoas, muitos perderão seus meios de vida ou terão o seu rendimento drasticamente reduzido. A combinação de epidemia do Coronavírus, outras epidemias e doenças, colapso iminente do atendimento da Saúde pública, da miséria e eventualmente da fome nos leva a vislumbrar uma hecatombe para a população trabalhadora brasileira e parte da pequena-burguesia.

As medida econômicas dos governos deixam clara a orientação do conjunto da burguesia diante da crise: bilhões para os empresários, migalhas para a população pobre. Bolsonaro autorizou a redução salarial em meio a esta crise catastrófica.

Na maioria esmagadora das empresas não há nenhuma medida de segurança. Os escravos têm que trabalhar para suprir os que estão confinados, para eles não há nenhuma segurança. Operários das fábricas, caixas de supermercado, trabalhadores dos transporte, trabalhadores dos correios têm que trabalhar. Outros perdem completamente o emprego e todos estão expostos ao contágio do vírus.

O grande problema diante desta situação é que a maior parte dos sindicatos fechou as portas e entrou em confinamento, decretando, contra o princípio fundamental da solidariedade operária, a lei capitalista do “salve-se quem puder”.

Nunca como antes, a população trabalhadora precisa da ação das suas organizações. Trabalhadores estão entrando em greve espontaneamente em vários lugares. Eles não têm alternativa alguma senão lutar.

Mas, devem lutar divididos, parcelados, sem nenhuma orientação, sem centralização, sem um programa claro?

Evidentemente, não.

Cabe à direção da Central Única dos Trabalhadores – no momento da verdade como este, as demais “centrais sindicais” mostram-se inúteis – agir, agir imediatamente e agir com a energia que corresponde à gravidade da situação.

Em primeiro lugar, é preciso convocar um fórum para discutir um programa de emergência diante da crise de saúde e econômica. Depois, é necessário discutir com os sindicatos e outras organizações populares.

Algumas medidas devem ser tomadas imediatamente nas categorias mais expostas ao problema. Nas grandes cidades, é preciso paralisar o transporte público. Metroviários e condutores de ônibus deveriam parar imediatamente para proteger os trabalhadores do transporte, mas também toda população que está sendo obrigada a trabalha sem qualquer segurança. Outros trabalhadores muito expostos são os funcionários dos supermercados e dos correios, que também deveriam ser paralisados imediatamente. A paralisação deve seguir até que todas as medidas necessárias sejam tomadas para garantir a segurança e as condições de vida de todos.

Outra medida essencial é convocar todos os trabalhadores a criar comissões para garantir a segurança sanitária dentro das empresas. As CIPA’s, na sua maioria, estão controlada pelos patrões e não vão cumprir esta função. Sem fiscalização, não como garantir a saúde do trabalhadores e menos ainda os salários e empregos. Na Itália, os trabalhadores estão realizando inúmeras greves para forçar os patrões que na sua maioria não querem atender esta reivindicação.

É preciso fazer e é preciso fazer já

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.