Ganhar as ruas de todo o país
A maior e mais importante organização de massas do país deve assumir a liderança da luta contra Bolsonaro e os golpistas, organizando atos de massas em todas as regiões
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Haverá-protestos-por-Direitos-Petrobrás-Democracia-e-Reforma-Política
A derrubada do regime golpista somente se dará através das lutas populares, nas ruas do país | Foto: (Reprodução/Sindicato dos Bancários-PA)

Depois de um longo período de inércia e paralisia, muito em função da política de represamento imposto pelas direções, o movimento de massas e a luta popular voltam a ocupar o cenário político nacional, onde as ruas e praças de todas as principais regiões e cidades do País estão sendo ocupadas por massivos atos e manifestações contra o governo burguês-golpista, tendo o fascista Jair bolsonaro como presidente, eleito em 2018 sob o signo da fraude e da manipulação.

As manifestações são uma reação das massas populares e do movimento de luta dos trabalhadores contra os ataques às suas condições de vida, o arrocho e o congelamento salarial, o desemprego, a ameaça da extrema-direita fascista contra os direitos e as liberdades democráticas e em repúdio também às milhares de mortes que o país registra todos os dias pela epidemia do Coronavírus, a ausência de atendimento à população pobre infectada, a violência policial e por tudo mais que o governo Bolsonaro representa contra o país, a economia nacional e a população explorada.

Na contramão dessa tendência, o que se vê, por parte das organizações de luta dos trabalhadores – a CUT em primeiro lugar e também os sindicatos – é uma política oposta a essa disposição demonstrada nas ruas por centenas de milhares de ativistas. A maior e mais importante central sindical do país, e uma das maiores do mundo, permanece alheia aos acontecimentos, com as portas fechadas, sem iniciativa para reagir aos ataques do governo fraudulento de Bolsonaro e acompanhar a tendência das massas presente na conjuntura.

Esse vácuo de liderança das lutas deixado pela CUT vem sendo, de forma oportunista e indevida, ocupado pela esquerda pequeno-burguesa, centrista, parlamentar, que tenta colocar-se como direção das lutas. São os mesmos setores partidários da “Frente Ampla” (PCdoB, Psol, PSB, direita do PT, etc.), tendo o senhor Guilherme Boulos à frente, notório desorganizador dos atos e manifestações. São eles que desejam enfrentar a extrema-direita nacional, expulsando os bolsonaristas das ruas e das praças do país?

Os sabotadores de “esquerda”, partidários da Frente Ampla, não querem e nem desejam o enfrentamento com a extrema-direita, mas têm como perspectiva utilizar a pressão exercida pelos movimentos de luta que ganham as ruas, para estrangular as mobilizações, conduzindo-as para o terreno das instituições golpistas do Estado (Parlamento, STF), pois esta é a política da Frente Ampla, que sequer tem inscrito em seus manifestos e documentos a luta pelo “Fora Bolsonaro”.

Nesse sentido, a CUT não pode e não deve permitir que os oportunistas contrários à luta pelo “Fora Bolsonaro” e o enfrentamento com os fascistas assumam o controle dos movimentos. A Central sindical deve imediatamente romper com a paralisia e a inércia, reabrindo suas portas e a dos sindicatos, colocando-se como a verdadeira liderança dos atos e manifestações que estão em desenvolvimento, como método de ação para enfrentar o bolsonarismo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas