HAMBURGUER_1
SHARE
COMANDO DE GREVE

Região Sul registrou atos em mais de uma centena de cidades

Trabalhadores nas ruas

A CUT deve colocar os sindicatos em função do movimento

Os sindicatos são as armas mais poderosas dos trabalhadores e precisam estar nas mobilizações junto com o povo

CUT é a maior central da América Latina – Arquivo

Publicidade

Os trabalhadores da esmagadora maioria das categorias não tiveram um dia sequer o direito de ficar em casa durante a pandemia.

Os governos golpistas – federal, estaduais e prefeituras – não moveram uma palha para combater a doença. Não construíram leitos de UTI, não disponibilizaram testes em massa, não compraram vacinas, não garantiram uma compensação econômica para que a população pudesse se resguardar fazendo um verdadeiro isolamento social. A única coisa que esses governos fizeram foi demagogia, fazendo uma campanha do “fique em casa”. O problema justamente é que tudo não passou de pura propaganda, porque, como dissemos, a esmagadora maioria do povo nunca deixou de ir trabalhar.

E é por isso que a maior parte dos doentes e mortos é de trabalhadores.

A esquerda, que dirige a maior parte dos sindicatos, acatou essa política demagógica da direita e ingressou numa profunda paralisia. Os sindicalistas fecharam as portas dos sindicatos e foram para casa. Alguns chegaram ao extremo absurdo de oferecer a sede do sindicato para os governos golpistas utilizarem como leitos.

Os sindicalistas foram para casa enquanto os trabalhadores que eles deveriam representar continuaram trabalhando. Uma política criminosa. Eles se colocaram, com essa política, como cúmplices do genocídio que já resultou em mais de meio milhão de mortes.

Não existe mais o “fique em casa”

Mas agora o Brasil está vivendo um novo momento. A política do “fique em casa”, que resultou na morte de 500 mil pessoas, foi rompida na prática pelo povo nas ruas, protestando contra Bolsonaro e contra os golpistas.

A esquerda, as organizações populares, o povo está mobilizado. Uma multidão saiu às ruas de centenas cidades do País.

O período de recesso dos sindicatos acabou. Está na hora de a CUT impulsionar a imediata abertura de todos os sindicatos para uma ampla mobilização das categorias organizadas.

Uma das condições para a vitória das mobilizações que tomaram as ruas do País é a presença da classe operária organizada. Por isso, já passou da hora dos sindicatos irem às fábricas, locais de trabalho e bairros populares, convocar os trabalhadores para a próxima manifestação e garantir a ida desses trabalhadores.

Levantar as reivindicações operárias

Os trabalhadores de base nunca tiveram o privilégio de ficar em casa desde o início da pandemia. Aqueles que foram eleitos para representá-los, isto é, os sindicalistas, devem, portanto, sair debaixo da cama e trabalhar ativamente na organização e agitação de suas bases.

A presença dos trabalhadores é fundamental para o desenvolvimento da mobilização, que tem muitas chances de derrubar o governo, colocar em xeque todo o regime político golpista e garantir para o povo suas principais reivindicações.

A CUT precisa chamar uma reunião urgente com seus 4 mil sindicatos para convocar amplamente os trabalhadores para as novas manifestações. A ação sindical decidida é uma das tarefas fundamentais para a próxima etapa.

Essa tarefa é ainda mais importante porque as empresa públicas estão sendo privatizadas pelo governo Bolsonaro. Eletrobrás, Correios, Petrobrás, Caixa Econômica e Banco do Brasil estão sendo preparados para serem entregues aos capitalistas estrangeiros. Isso vai gerar demissões em massa e a piora dos serviços para toda a população.

As demissões e o rebaixamente salarial também são mazelas que assolam todas as categorias, em particular as das empresas privadas.

Quanto mais tempo esse governo e o regime golpista estiverem de pé, mais os trabalhadores serão jogados na miséria.

É preciso lutar e os sindicatos e a CUT são os mais poderosos instrumentos de luta dos trabalhadores. Os sindicatos devem atuar em função da mobilização que toma conta das ruas, devem se juntar ao povo para conquistar as reivindicações populares e fazer desenvolver a luta por um governo dos trabalhadores, que passa pela defesa da candidatura de Lula.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.