“Táticas geniais”
Desde o golpe de 2016, as articulações da esquerda levaram a derrotas históricas. A exemplo do que faz a direita, estes setores culpam o povo pelos fracassos colecionados
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
lula prisão
Mobilização contra prisão de Lula foi traída pela esquerda | Foto: Reprodução

Principal vítima da política de rapina movida pela direita, o povo brasileiro tradicionalmente é quem sente com mais peso o esmagamento dos cortes orçamentários e da guerra econômica. Quando as consequências naturais desta política aparecem na explosão da pobreza e da criminalidade, a responsabilidade recai novamente sobre a população pobre, que passa a ser alvo de uma intensa campanha de repressão policial. Tais campanhas abusam de demagogia barata para eximir a burguesia e aumentar os ataques contra a classe trabalhadora. Curiosamente, a esquerda pequeno-burguesa adota uma postura semelhante no que diz respeito à responsabilizar as massas pelo resultado das políticas desastrosas defendidas pelos sábios esquerdistas.

Um exemplo emblemático vem justamente das urnas, campo de luta política favorito destes setores. Desde 2002 o povo brasileiro vem elegendo o PT para a presidência da República, mesmo em eleições tão manipuladas quanto a de 2014. Mesmo tendo manifestado nas urnas o desejo de ter mais um mandato da presidenta Dilma Rousseff (que recebeu pelo menos 54 milhões de votos), uma mobilização golpista derrubou a presidenta, sem que os maiores partidos da esquerda fizessem nada além de assistir o golpe que cassou o voto do povo e impôs a agenda neoliberal ao País.

Um ano após o golpe, em 7 de abril de 2018, o Brasil entrou em estado de suspensão após o golpista Sérgio Moro, então juiz federal, pedir a prisão do ex-presidente Lula. Condenado pelos processos da Lava Jato, Lula se dirigiu ao sindicato dos metalúrgicos, onde milhares de pessoas se reuniram contra a prisão política do principal candidato nas eleições presidenciais que transcorreriam meses depois. Sob a palavra de ordem “não deixar prender”, esses manifestantes expulsaram as forças de repressão que apareceram para dispersar o ato e posteriormente impediram Lula de se entregar. Apesar do impasse causado pela ação do povo, a manifestação fora derrotada pelas manobras da esquerda e Lula acabou preso, sendo solto apenas em novembro de 2019.

Ambos os casos têm em comum derrotas enormes sofridas pelo povo, que pela via das urnas e pela via de manifestações de rua, mobilizou-se para fazer valer seus interesses – a reeleição de Dilma e a liberdade de Lula – porém foram derrotados pela esquerda, que por omissão ou ação, sufocou a luta popular, chamando o povo a depositar uma confiança cega em instituições como o Congresso Nacional e os órgãos do Judiciário, mesmo após ambos terem atuado abertamente contra os interesses populares e na defesa da burguesia.

Seria possível enumerar uma infinidade de erros de cálculo cometidos pela esquerda desde o golpe de 16 e que levaram a desastres, os quais não deixam dúvidas quanto o caráter de péssimos estrategistas (para dizer o mínimo) dos articuladores dos partidos majoritários da esquerda. Curiosamente, a exemplo do que faz a direita, de Guedes a FHC, a esquerda pequeno-burguesa continua responsabilizando o povo.

O voto popular nas eleições de 2014 foi cassado? “A culpa é do povo!” Bolsonaro foi eleito? “O povo não sabe votar!” Ignora-se a gigantesca fraude realizada nas eleições, ignora-se o fato de Lula ter sido preso e proscrito do processo eleitoral justamente por ter apoio popular, ignora-se o fato de mesmo os institutos de pesquisa burgueses reconhecerem que a população poderia eleger Lula ainda no 1º turno, ignora-se um amplo leque de fatos, que comprovam a grande consciência política das massas, para isentar os sábios formuladores das “táticas geniais” da esquerda, expressão surgida quando o PT decidiu não lutar pela candidatura de Lula em 2018 mas substituí-la por Haddad.

Os responsáveis pela eleições ganhas pela direita, evidentemente são os capitalistas, que manipulam o processo eleitoral, sendo portanto os principais agentes diretos. Mas é preciso dizer que as lideranças de esquerda têm sua parte no conjunto da obra. No lugar de organizarem os trabalhadores para lutarem contra a burguesia e defender seus interesses, essas lideranças – políticos profissionais é bom lembrar – tiram de si a responsabilidade pela confusão na classe trabalhadora, culpando as vítimas pela ação predatória da burguesia.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas