Semana caótica
Queda no preço do petróleo, bolsas despencando mundo afora… o capitalismo não consegue se sustentar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
479370088_af62748251_k
Bovespa caiu 22% na segunda-feira. Foto: Rafael Matsunaga |

São poucas as pessoas, fora os totalmente alienados, que não estão a perceber, nos, nos últimos anos, os sinais de uma crise global se avizinhando. Alguns analistas descrevem a economia mundial como em uma crise que vai se avolumando dia-a-dia desde o estouro da crise mundial de 2007. São poucos e rasos momentos de melhoria dos sinais vitais do capitalismo e maiores e profundos episódios de instabilidade e crise.

É certo que para os capitalistas, especialmente os que vivem de rendas e de manipulação do capital financeiro,  essa nova fase do processo de acumulação capitalista se apresenta como bastante promissor, haja vista a rápida e violenta expansão do poder de grandes empresas transnacionais sobre vastas áreas detentoras de matérias primas e produtoras de trabalhadores hiper explorados, Afeganistão, Líbia, Iraque, Congo etc … e toda a América Latina. É o imperialismo cavando mais fundo sobre terreno que se imaginava esgotado. África, Ásia, Oriente Médio e América Latina.

Esse quadro se expressa na brutal concentração de renda que aumenta drasticamente sua velocidade nas últimas décadas. A Oxfam, uma confederação de 20 ONGs com sede no Reino Unido, tem publicado sistematicamente um retrato dessa desigualdade. Em 2015 essa entidade mostrou que 62 famílias detinham os mesmos recursos que a metade mais pobre de toda a população mundial. Em 2010, eram 388 famílias.

Por isso, qualquer solavanco, por mais irracional que pareça, tende a provocar grandes crises nesses períodos. A guerra de preços e por mercado do petróleo protagonizada pela Arábia Saudita e Rússia, as maiores exportadoras mundiais, causou uma generalizada queda das bolsas de valores e uma rápida redução do preço do barril de petróleo. No começo do ano o petróleo custava em média 60 dólares o barril. Agora esse preço caiu para 20 dólares e depois subiu para 30 dólares. É bom lembrar que em maio de 2009 o barril do petróleo custava 140 dólares. Essa gangorra favorece grandes especuladores, faz parte da guerra comercial mundial, que em vários momentos vira guerra militar e invasão de países, em outros momentos essa guerra derruba governos, como no Brasil, e anexa economias subordinando todos os setores econômicos aos interesses dos países imperialistas.

Nos países dependentes e subordinados, como o Brasil, esse processo de crise gera do desemprego em massa, como instrumento de domesticação da classe trabalhadora que perde direitos e tem salários reduzidos, gera a desnacionalização de empresas, retorno da economia à condição de produtora de matérias primas. A ditadura, o fascismo são instrumentos políticos para essa opressão econômica.

A concentração de renda, a subordinação econômica dos países capitalistas atrasados, a super exploração de vastas áreas do globo, conduzem à fome de milhões de pessoas, às guerras de aniquilação, aos movimentos de fuga em massa de refugiados. Essa é a cara do capitalismo em crise em um mundo que já demonstrou ser capaz de produzir mais do que é necessário para toda a humanidade viver com dignidade, um mundo que já produziu as condições para superar o capitalismo.

No Brasil a tendência é aumentar ainda mais a velocidade dos ataques à população. O aumento da fome. A instabilidade econômica. A Bolsa de Valores é só um dos aparelhos de medição dessa crise. Outros estão nas ruas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas