Liberdade de expressão
A esquerda acredita que a justiça burguesa é a grande guardiã da moral
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
foto16cul-105-molina-d26
Lobato foi inclusive ligado ao Partido Comunista | Foto: Agência Iconographia

Dias atrás escrevemos um artigo sobre o julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o suposto racismo na obra de Monteiro Lobato. O livro “Caçadas de Pedrinho”, clássico da literatura nacional, é considerado racista e portanto não deveria figurar entre as obras do Programa Nacional Biblioteca da Escola, do Ministério da Educação. É bom lembrar que, tempos atrás, outra ação no Judiciário procurava permitir a alteração da obra nas partes consideradas racistas.

Dissemos que o método da censura de obras é, à parte as boas intenções, invariavelmente reacionário. As boas intenções se encontravam nos nazistas quando queimavam o que chamavam de “arte degenerada”. Tudo o que não fosse considerado dentro do padrão de pureza ia parar na fogueira. A mesma coisa foi feita na Inquisição.

Alguém poderia protestar dizendo que tanto no nazismo como na Inquisição as intenções eram opostas às daqueles que buscam a censura com a justificativa moral do combate ao racismo. Poderíamos concordar com os que argumentam nesse sentido, mas apenas na medida subjetiva do problema. Objetivamente trata-se da mesma coisa.

Não é possível estabelecer um parâmetro moral, ou seja, subjetivo, para uma obra. Se abro a possibilidade de censura contra algo que minha moralidade reconhece como mau, automaticamente estou dando essa possibilidade para outro que entende a moralidade de maneira oposta à minha. No final das contas, vence quem for mais forte. Quem vai decidir o que será ou não censurado e digno de  ser moralmente aceitável será o setor social com mais força, ou seja, a burguesia.

Portanto, a única arma dos oprimidos é a liberdade de expressão irrestrita, incondicional. A censura não apenas é um instrumento inócuo, ele é a arma do opressor contra o oprimido e este nunca deve fortalecer essa arma.

Conforme o esperado, setores da esquerda pequeno-burguesa recorreram à histeria quando tiveram contato com a posição deste Diário sobre o tema. Na ausência de argumentos, gritaria, ofensas e calúnias,, o que apenas confirma a tese de que o método da censura é bolsonarista. E conforme apontamos no artigo anterior, o atual ambiente reacionário produzido pela extrema-direita influencia invariavelmente a classe média, incluída aí a classe média esquerdista.

Ao melhor estilo bolsonarista o militante do PSOL, Douglas Belchior, preferiu usar as calúnias: “@PCO29  é uma piada. Racistas sem vergonha. Eles e os amigos deles”. Ficamos sem saber qual exatamente seria a piada, também porque racistas. Para a esquerda pequeno-burguesa, assim como para a direita, não precisa argumentar. Bastam as calúnias. O Psolista não tem o poder do direitista STF, mas também tenta calar o adversário usando a força. É o método da direita.

As pessoas têm todo o direito de achar as obras de Monteiro Lobato racistas. Têm todo o direito também de acusar Lobato, que morreu em 1948, de racista. Temos o direito de discordar de tudo isso. Mas o que está em jogo não são as considerações e interpretações que cada um possa ter dele, um dos maiores escritores brasileiros do século XX. O que está em jogo é saber se devemos dar ao Estado burguês o poder de censura e se isso traria algum ganho para o movimento negro. Está claro que não.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas