Censura a Monteiro Lobato
O revisionismo em breve estará a serviço do fascismo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
lobato
Um dos maiores escritores brasileiros completa 72 anos de sua morte dia 4 de julho | "Foto: Reprodução".

Dia 04 de julho será comemorado o 72° aniversário de morte do escritor brasileiro José Bento Renato Monteiro Lobato, ou mais reconhecidamente; Monteiro Lobato.
Monteiro Lobato produziu nada menos do que 67 obras autorais, além de inúmeras traduções e artigos.
Em uma época em que os livros brasileiros eram editados apenas na Europa, Monteiro Lobato tornou-se também editor.

Foi ensaísta e contista.

A biografia de Monteiro Lobato está ligada também à luta perseverante pela nacionalização do petróleo brasileiro.

Fundou empresas ligadas à perfuração de petróleo próximo ao território da Bolívia rico em petróleo e isso contrariou diretamente interesses de grandes empresas internacionais à época. Pois havia interesse político em afirmar não existir petróleo em solo brasileiro. Monteiro Lobato enfrentou esse discurso mentiroso pública e ruidosamente. E essa luta teve para ele um alto custo pessoal, abalando sua saúde e levando-o à ruína financeira.
Monteiro Lobato foi também responsável por importantes inovações nos livros didáticos, especialmente direcionados ao público infantil.

No quesito contos infantis, setores revisionistas se dedicaram, mais recentemente, a atacar a obra de Monteiro Lobato. Acusam suas produções de racistas, ao fazer-lhes uma análise pautada por um crivo anacrônico. Sua série de contos infantis do Sítio do Pica Pau Amarelo é o principal alvo desses ataques, por ser muito presente nos acervos das bibliotecas escolares e por seus personagens possuírem, até hoje, um carisma muito significativo junto ao público infanto-juvenil.

Publicada entre as décadas de 20 e 40 do século XX, a série de obras do Sítio do Pica Pau Amarelo é sucesso ainda hoje e inspirou de séries televisivas a peças teatrais de sucesso no Brasil e exterior. A série trás um rico cenário imagético inspirado em lendas e em personagens do folclore brasileiro mesclado, de modo leve e divertido, à mitologia grega e aos contos dos irmãos Grimm.

Hoje existe um debate aberto sobre a possibilidade de interdição e de censura à obra de Monteiro Lobato. Quando seria didático e importante gerar mediação e debate crítico a respeito de seu conteúdo.

Seria de fato importante retomar o estudo de sua biografia e ater-se à leitura de seu livro “O Escândalo do Petróleo”. Obra em que demonstra sua posição nacionalista na defesa do petróleo e da soberania brasileira.

É estranha demais uma campanha que envolve receituário de censura a um autor brasileiro, de perfil nacionalista exatamente em um momento em que a soberania brasileira é abatida frente à anexação internacional do pré sal; da base aeroespacial de Alcântara e quando a própria Amazônia enfrenta a possibilidade de um cenário futuro de militarização internacional.

Tudo isto parece estar interligado. Pois envolve patrimônio cultural brasileiro, com a valorização de uma obra clássica que celebra nosso folclore , nosso imaginário popular e um vulto reconhecido por sua luta na defesa das riquezas nacionais.

O racismo é uma ferramenta de exclusão, pois marca um discurso da diferença. Sem a diferença para categorizar quem é cidadão e quem não é, o sistema capitalista não poderia reforçar a desigualdade. E sem ela não existe o capitalismo.

Enquanto a esquerda se torna instrumento ativo do imperialismo no ataque à obra consagrada de um escritor que representa a memória da cultura e das lutas brasileiras, o estado burguês fascista promove o extermínio da juventude negra e das nossas comunidades e lideranças indígenas.

Enquanto isso, “socialites” desprezíveis promovem discursos higienistas debochados contra quem é obrigado a morar nas rua. Isso quando se sabe que maioria da população em situação de rua é negra.

A “intelectualidade brasileira”, expressa sem setores da esquerda pequeno-burguesa, portanto, comete um erro medonho ao se aliar a discursos que pedem censura. É inacreditável e assustador que queiram começar a censurar livros! Isso não é luta antirracista. Isso é fascismo.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas