O fim das estatais e do povo?
O desespero toma conta do governo e da imprensa golpista. Não conseguem entregar o patrimônio que prometeram ao imperialismo.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
48642333731_c4cc82ea77_c (1)
Paulo Guedes e Jair Bolsonaro | Foto: Palácio do Planalto

Uma matéria da Folha Uol destaca que as privatizações mal começaram a sair do papel. Foi promessa do Paulo Guedes, quando assumiu há cerca de um ano e meio atrás, que privatizaria todas as 614 estatais do país. Com as privatizações emperradas, diz que o sucesso de Paulo Guedes se deve ao Programa de Parceria de Investimentos (PPI), que são as concessões de aeroportos, rodovias, portos e ferrovias.

E dizem que a pandemia dificultou os planos de Guedes. E o congresso também, onde as estatais são reduto politico e mexe com os interesses dos políticos em suas regiões de atuação.

Em meados de julho, sob pressão da imprensa, o Guedes anunciou que privatizaria quatro grandes estatais em noventa dias. As estatais seriam os Correios, a Eletrobrás, o Porto de Santos, e PPSA (Pré-sal Petróleo S/A), conforme estimativas dos jornais da época.

Além disso faria a abertura do capital na bolsa de valores – Oferta Pública Inicial (IPO – sigla em inglês), de um grande banco, possivelmente a Caixa Econômica Federal, e/ou suas subsidiárias, como a Emgea (do sistema financeiro da habitação) e a Caixa Seguros.

Fato é que enquanto os jornais declaram que o ministro da economia tem como meta privatizar todas as estatais, e esses planos não saem do papel, o valor das empresas no mercado caem muito. Seria esse o motivo para que o congresso dificulte a vida do Guedes?

Forçar a queda do preço das estatais para poderem ser vendidas ao imperialismo a preço de banana e rapidamente? E ainda com o financiamento feito pelo BNDES. Um negócio de pai pra filho.

Parece ser essa a estratégia da imprensa golpista, como a Folha de São Paulo, o Estadão e o Globo, que querem que o governo coloque em prática rapidamente o plano delas, que serve aos interesses dos monopólios imperialistas e provocam enorme prejuízo ao povo brasileiro.

Foi com esse objetivo que fizeram campanha para a eleição desse governo fascista. Teria que executar o plano de privatizar todo patrimônio do povo. Deixando que o capital estrangeiro adquira as empresas brasileiras, que como sabemos são lucrativas, pagando preço abaixo do valor que elas têm.

Transferem capital nacional ao imperialismo ao mesmo tempo promovem a miséria e a fome em meio a essa pandemia. A população brasileira que morra sem recursos, o importante é que o capital sobreviva e continue aumentando seus lucros.

É nessas bases que o capitalismo funciona, em tempos onde não há crises, usam a democracia burguesa como pano de fundo. Que como sabemos é pura ilusão para os trabalhadores, e a expropriação acontece da mesma forma. Aí quando vem as crises, recorrem às ditaduras militares ou fascistas para manterem a exploração do povo trabalhador e continuarem no poder.

Essa exploração só irá acabar quando os trabalhadores se unirem com o propósito de colocar abaixo esse regime capitalista e colocarem no lugar a democracia operária. Os trabalhadores é que assumirão o governo do estado e das empresas, e a produção será distribuída conforme a contribuição de cada um.

Esse é o momento ideal para que isso ocorra. As crises colocam claramente a essência do sistema, ao mesmo tempo revela que ele se encontra mais fragilizado e, portanto, menos resistente à tomada do poder pelos operários.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas