Genocídio em marcha
Funadação Oswaldo Cruz alerta para o risco de morte de 6,5% de Yanomanis por coronavírus devido à garimpo ilegal em território indígena “um genocídio com cumplicidade do estado”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
yanomami
Lideranças dos povos yanomami e ye'kwana em encontro para debater a presença de garimpeiros | Foto: VICTOR MORIYAMA / ISA

Pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) em conjunto com o Instituto Socioambiental (ISA) revela que o Povo Yanomani  é o mais vulnerável  ao coronavírus entre todos os indígenas da Amazônia. A situação de risco ocorre pela presença de 20 mil garimpeiros ilegais em seu território  trazendo risco de infecção para 40% de sua população e consequente morte de 6,5% dos integrantes, uma vez que a assistência à saúde indígena é inexistente na região.

O estudo coloca a povo Yanomani como a população mais afetada pelo coronavirus no planeta proporcionalmente , traduzindo-se em um “genocídio com a cumplicidade do Estado brasileiro “, segundo a Fundação Oswaldo Cruz que revisou a pesquisa e alertou para a necessidade de mediadas imediatas para a retirada dos garimpeiros e melhoria da assistência médica aos 27.398 indígenas da região.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas