Neoliberalismo
Estudo fornece dados mais concretos sobre a crescente miséria da população brasileira
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
extrema pobreza
População vivendo do lixo | Foto: Reprodução

Segundo uma reportagem publicada no sítio do jornal golpista O Globo (“Auxílio emergencial e perda de renda dos mais ricos fazem classe C alcançar seu maior patamar histórico”, 9/10/2020), em agosto de 2020, quase 86% da população brasileira (mais de 180 milhões de brasileiros) viviam com até 2 salários mínimos. A reportagem utilizou um estudo elaborado pela FGV para chegar a este número, que por sua vez, baseou-se em dados do IBGE. Isso significa que uma maioria muito expressiva dos brasileiros ganha menos de R$2,1 mil por mês, 58% a menos do que mínimo vital, tal como compreendido pela Constituição liberal de 1988. Segundo o DIEESE, o mínimo para garantir uma família de 4 pessoas deveria ser de pelo menos R$ 5 mil.

Reflexo da política de guerra econômica movida pelo imperialismo contra o País e a classe trabalhadora brasileira, a pobreza da população só não é maior porque 67 milhões de brasileiros recebem o auxílio emergencial, que deve acabar ao término do ano. Severamente atingidos pela crise da economia, que segundo o IBGE leva 74 milhões de trabalhadores à desocupação no Brasil, essa camada, superior em números a população de muitas nações ao redor do mundo, não dispõe de empregos ou qualquer meio seguro de garantir a subsistência diária, tendo que se submeter a toda sorte de meios para escapar das mazelas da miséria, meios muitas vezes, tidos como ilegais.

Vale um destaque nessa questão por que, embora sob muitos aspectos a matéria d’O Globo seja uma propaganda ruim, ela não esquece o óbvio: sem o irrisório valor do auxílio emergencial (atualmente em R$300) a chamada “classe C” , que compreende 63,02% da população ganhando entre meio a até menos de 2 salários mínimos, estaria muito menor. A reportagem aponta que a redução nessa categoria social seria de 10 pontos percentuais (para 53,02% portanto). Convém lembrar que cerca de 67 milhões de brasileiros recebem o auxílio emergencial, o que torna 10 pontos percentuais uma estimativa muito conservadora.

Ainda de acordo com o levantamento, a chamada Classe A  compreenderia um contingente de 27,88 milhões de brasileiros (13,28%), onde se encontra a parcela da população que ganha mensalmente 2 ou mais salários mínimos, ilustrando que a parcela social sendo atendida pela política bolsonarista é estatisticamente desprezível. Todo o País, está submetido e dependente do fora Bolsonaro.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas