Economia mostra sua anarquia
67,6% dos consumidores disseram que a economia só voltará a atividade normal só daqui a seis meses o que sinalizaria uma lenta recuperação.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Curitiva PR 29 05 2018 Pesquisa do Disque Economia da Prefeitura comparou os preços médios dos hortifrutigranjeiros, , com o primeiro dia da greve nacional dos caminhoneiros (21/5), e aponta uma alta de até 110,54% nos preços das frutas e verduras vendidas em dez supermercados de Curitiba.
Foto: Luiz Costa/SMCS
Luiz Costa/SMCS A anarquia capitalista leva a produtos estragaram nas gôndolas. |

Para quem consegue sair do turbilhão dos ataques destes governos fascistas e refletir profundamente sobre as bases como está montada a sociedade atualmente não fica surpreso sobre os resultados prévios da pesquisa que a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

A principal revelação é que quase 80% dos entrevistados estão comprando somente o essencial para suportar a quarentena. Uma que o isolamento social que foi a única solução que restou tendo em vista a incapacidade de testar a população e a baixa quantidade de leitos de UTI disponíveis no combalido sistema público de saúde.

De acordo com a FGV em março as pesquisas realizadas já mostravam a perda de confiança de consumidores e de empresários devido ao cenário que se apresentava sombrio naquela época. Por isso, para o mês de abril as perguntas foram mais voltadas para o impacto econômico da pandemia.

Com 85 % das entrevistas realizadas, Rodolpho Tobler, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da FGV, antecipou algumas das conclusões que serão apresentadas na semana que vem para o Jornal Estadão. Além dos 79,1 % que compram somente o essencial, somente 15,4 % dos entrevistados disseram que ainda não foram afetados financeiramente pela pandemia.

Usando o critério da renda familiar, 20,6% das famílias mais ricas disseram que não teriam sido afetadas, enquanto nas  mais pobres 10,6 % do conjunto disseram que não foram afetadas. O pesquisador aponta que num primeiro momento as pessoas de carteira assinada ou aposentadas não sofreram redução sem mencionar as medidas apresentadas pelo governo Bolsonaro já aprovadas pelo Congresso que permitem a redução salarial.

Outro ponto destacado pelo pesquisador é que 67,6% dos consumidores disseram que a economia só voltará a atividade normal só daqui a seis meses o que sinalizaria uma lenta recuperação. Ainda que pareça atualmente um indicio de otimismo visto que o chamado pico da epidemia ainda nem chegou. Assim para Tobler “mesmo com a abertura do comércio, com a vida normal , a recuperação da atividade não vai acontecer de uma hora para outra”. O pesquisador ignora que sem uma significativa parcela da população imunizada em relação ao coronavírus a distância social, separação de dois metros entre as pessoas, e o uso de equipamentos de proteção continuam sendo fundamentais para evitar um contágio que provoque o colapso sistema de saúde como já esta sendo observado em várias cidades do Brasil e mesmo do mundo.

Contudo o mais importante que a pesquisa revela é como mesmo na atual fase monopolista do Capitalismo, caracterizado por enormes corporações e conglomerados, ele não consegue superar o aspecto anárquico da sua produção, despejando mercadorias que estão em dissonâncias com as reais necessidades da população. Outrossim gasta energia e força de trabalho em produzir mercadorias que encarecem desnecessariamente a vida de todos enquanto alimentam o desemprego e a carestia. Engels já apontava que “uma sociedade baseada na produção de mercadorias, os produtores perdem o comando sobre as suas próprias relações sociais“. Ou seja, “ninguém sabe qual a quantidade de artigos do mesmo tipo que os demais (produtores) lançam no mercado, nem a da quantidade que o mercado necessita; ninguém sabe se seu produto individual corresponde a uma demanda efetiva, nem se poderá cobrir os gastos, nem sequer, em geral, se poderá vende-lo”.

Logo, vemos que existe a necessidade dos trabalhadores, incluindo aqueles que se encontram desempregados, de se organizarem em conselhos populares e comitês principalmente nos locais mais afetados e esquecidos por estes governos voltados aos bancos e grandes capitalistas para terem as suas necessidades garantidas. Por isto o programa do PCO de luta contra a crise propõe que os conselhos populares controlem o abastecimento e impeçam a especulação dos gêneros de primeira necessidade até como forma de evitar os saques levado pelo desespero da sobrevivência.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas