Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Ali capa
|

Com apenas 18 anos, ainda lutando com o nome de Cassius Clay, Mohamed Ali ganhou a medalha de ouro nas Olímpiadas de Roma, no ano de 1960.

Mohamed Ali competiu em Roma na categoria meio-pesado – ele só passaria para os pesos pesados após os Jogos – e derrotou, pela ordem, o belga Yvon Becauls, o soviético Gennadiy Shatkov, o australiano Anthony Madigan e, na decisão pelo ouro, o polonês Zbigniew Pietrzykowski.

O oponente pelo ouro era experiente, com 25 anos, três títulos europeus e um total de 231 lutas, além do bronze entre os médios ligeiros, quatro anos antes. Mas, com sete anos menos e um cartel de 100 vitórias e apenas cinco derrotas, Ali dominou a luta.
“Clay passou os primeiros assaltos tentando evitar agilmente qualquer tentativa de Pietrzykowski o atacar. Mas logo no terceiro dominou seu rival para ganhar por decisão clara e unânime”, detalha David Wallechinski, em seu livro sobre os Jogos Olímpicos.
Assistindo o vídeo ao fim dessa matéria, você verá que, na verdade, Mohamed Ali controlou a luta do começo ao fim. Desde o primeiro round ele já obteve mais pontos. No segundo, o polonês tentou avançar, mas não conseguiu. Perdeu novamente. Desesperado para o terceiro round, o polonês é massacrado, sendo punido várias vezes por abaixar demais o tronco.
No último assalto, o jogo de pernas que ficou reconhecido mundialmente, deu o toque final da vitória avassaladora de Ali.
Usou de sua rapidez, inteligência (troca de posicionamento dos pés, mãos, troca de tática em meio a luta) e grande envergadura para ganhar facilmente a luta final. A lenda já se tornava reconhecida no esporte; mas isso era tudo?

Ao retornar aos Estados Unidos, Mohamed Ali mostrava todo o orgulho de ser o campeão olímpico. Havia ganhado as lutas com muita facilidade, (assista a luta pelo título no fim da matéria) forçando seus adversários a ir para o tudo ou nada… que sempre levava à vitória de Mohamed Ali.

Andando pela sua cidade natal de Louisville, Kentucky – região sul e segregada – Mohamed Ali não retirava a medalha do pescoço. Mostrando a força do povo negro, sem abaixar a cabeça, adentrou um restaurante em sua cidade.

Mohamed Ali relatou várias vezes durante a sua vida, como aquilo o marcou. Em entrevista anos depois (assista no primeiro vídeo ao fim da matéira), Ali mostra outra característica de sua inteligência: o humor. Segundo Ali: “Eu me sentei e pedi um cafezinho e um cachorro quente – quando a atendente respondeu que eles não serviam negros, Ali respondeu – e eu não como negros, então me traga o café e o cachorro quente! “.

Apenas alguns dias após ser campeão olímpico, Mohamed Ali jogou sua medalha de ouro no Rio Ohio. Viu que mesmo sendo o melhor do mundo, precisaria participar da luta dos negros. Junto com Martin Luther King. Jr e, principalmente, com Malcolm X, Ali participou ativamente pela luta do povo negro, dentro e fora dos ringues.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas