Cinco contra um: militares espancam jovem na Cidade de Deus e comunidade se rebela

milicos

O governo golpista justificou a intervenção militar no Rio de Janeiro como uma suposta medida contra a “violência”. No entanto, até o momento, as Forças Armadas não reduziram violência alguma – na verdade, intensificaram o massacre que a PM realiza todos os dias nas periferias.

Nessa semana, cinco militares espancaram um jovem na Cidade de Deus. De maneira covarde, os militares agrediram o jovem e, obviamente, não sofreram qualquer punição de seus superiores. A ação revoltou os moradores.

A presença das Forças Armadas no Rio de Janeiro, bem como as investidas criminosas da PM nas periferias, é algo inadmissível. Por isso, é preciso organizar uma grande mobilização dos trabalhadores contra a intervenção militar no Rio e pela dissolução da PM.

A única forma de os trabalhadores conquistarem essas reivindicações é através de uma luta contra o golpe de Estado. Desse modo, é necessário fortalecer os comitês de luta contra o golpe e construir a Conferência Nacional Aberta de Luta Contra o Golpe, isto é, transformar a forte tendência à mobilização contra os golpistas em uma luta real.