Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
28235061_1511590392473787_5116416680076429905_o
|

A 43ª Universidade de Férias do PCO segue a todo o vapor, trazendo à militância da esquerda brasileira todas as informações necessárias para reconhecer e combater o fascismo, através de suas manifestações concretas.

Seguindo o estudo do fascismo na Itália, passamos a ver a burguesia construindo meticulosamente as milícias fascistas, cuja base serão as forças armadas e a polícia italiana. Uma vez em atividade, estas hordas fascistas trarão o terror ao povo italiano, através das “ações de castigo”. Mas haverá real resistência: entram em cena os Arditi del Popolo.

Mas antes de entrar em combate direto com o movimento operário, a burguesia irá reorganizar o exército italiano.

Nos planos da burguesia, os soldados devem manter-se nas Forças Armadas por períodos curtos e deverão ser recrutados, não voluntários. Já os oficiais, serão mantidos por longos períodos e deverão ser muito bem pagos. O objetivo é criar obstáculos para que a classe operária possa conquistar soldados para a sua luta, como já havia ocorrido na Rússia e na própria Itália. A bem dizer, trata-se de formar um exército de mercenários por um lado (oficiais) e de jovens inexperientes por outro (soldados).

Mas só um exército mercenário não basta, é preciso construir uma força nova, aparentemente independente das forças repressivas estatais: as milícias. A ordem é criar esquadrões com os mais capazes aliados da burguesia, “idealistas” da direita, formada “pelos mais fortes”, capazes de ações violentas e políticas. Incluindo as “ações de castigo”.

Evidentemente, estas milícias serão diretamente dirigidas por membros do exército, tanto na ativa como reformados, muito bem pagos para esta tarefa, e utilizarão táticas militares de guerrilha para lançar o terror sobre a classe operária italiana.

E assim é feito.

Organizadas pelas forças repressivas do Estado Italiano, com muito dinheiro investido pela burguesia, são formadas as milícias com a falsa aparência de serem manifestações espontâneas de setores da população italiana.

Utilizando-se de estratégias típicas de guerrilha, iniciam suas ações em locais com pouca ou nenhuma capacidade de defesa, distantes das grandes concentrações operárias, como a do Vale do Rio Pó, no centro da Itália. São ações de extrema violência contra o povo, com muitas mortes, centenas de feridos, intimidações brutais contra lideranças locais, principalmente sindicalistas, prefeitos socialistas e demais lideranças populares. Chegam até mesmo a coagir autoridades eleitas a abandonarem seus mandatos, sob pena de morte não só do mandatário como de toda a sua família.

Os fascistas seguiam montados em caminhões e atacam a todos que não tirem os chapéus à milícia, ou que usem qualquer roupa ou adereço vermelho. Atacavam com bastões, chamado de manganelo, pois a ideia é que o espancamento é ainda mais assustador e humilhante do que um tiro. Mas também usam punhais, revólveres, fuzis e metralhadoras, para o caso de haver resistência.

Nos sindicatos, mandam todos saírem, através de um corredor polonês, e queimam tudo. Depois, instituem sindicatos fascistas que permitem trabalhar somente a quem se submete às ordens fascistas, e nas suas condições. É uma espécie de trabalho escravo instituído à força.

Demonstra-se, assim, que o fascismo não é um fenômeno espontâneo, originado de forma obscura, quase mística. Não se trata de um “enlouquecimento coletivo” ou a revelação de um “instinto de morte” oculto. Ao contrário, é um movimento friamente arquitetado e executado pela burguesia para conter a classe operária de forma brutal, onde militares, comandados pelos grandes capitalistas, buscam esmagar os pobres para impor um sistema de superexploração.

Mas as ações violentas logo encontram uma resistência à altura. Não se trata de discursos ou cartazes, nem de simples palavras de ordem ou tentativas infantis de diálogo com a fria brutalidad da burguesia fascista, o que entra em cena é a ação direta, armada, violenta e organizada: os Arditis Del Popolo – Arditis do Povo, cujo lema é “surgimos do nada” tem como uma de suas palavras de ordem “sem medo da morte, sem medo da dor”.

Os Arditis del Popolo formaram-se de ex-combatentes voluntários de forças especiais do exército italiano que haviam lutado na Primeira Guerra. Usando o lema “surgimos do nada”, formam uma milícia de milhares de pessoas, com o objetivo de defender os trabalhadores contra os fascistas.

Os bairros operários tornam-se verdadeiras fortalezas. Os fascistas que insistem em tentar entrar são repelidos com violência, à bala. Muitos fascistas foram mortos, o que leva a uma crise, já que somente sabiam agir contra populações indefesas. A covardia dos fascistas, que não tem condições nem coragem para enfrentar uma resistência séria dos operários, leva a um sério recuo do fascismo na Itália. Coloca-se uma oportunidade real de vitória da classe operária.

No entanto, a esquerda ingressa em uma política com um único rumo: a derrota da classe operária. O Partido Socialista Italiano, acostumado tão somente com ações parlamentares, não apoia a ação direta e passa a semear a desconfiança dos operários nos Artitis.

Com discursos como o de “ninguém sabe quem comanda”, ou que “são nacionalistas como os fascistas”, ou ainda que a “atividade dos Artitis também é provocativa, o que poderá levar a maiores ações fascistas” as lideranças de esquerda afasta os operários deste verdadeiro exército de auto-defesa do proletariado, dando mais uma chance ao fascismo de se reorganizar.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas