“O que foi o stalinismo”
Curso inicia hoje e deverá reunir mais de mil pessoas para combater uma das tendências mais nocivas ao movimento operário internacional
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
2020.12.16 46 Universidade de Férias
46ª Universidade de Férias | Imagem: Diário Causa Operária

Começa hoje, dia 5 de janeiro, a primeira grande atividade política do ano de 2021: a 46ª edição da Universidade de Férias do Partido da Causa Operária! Promovido pela Fundação João Jorge Costa Pimenta (JJCP) e pela Aliança da Juventude Revolucionária (AJR), o curso terá uma duração de 40 horas e será conduzido por ninguém menos que Rui Costa Pimenta, principal dirigente do PCO e o mais influente quadro marxista da luta contra o golpe de Estado.

Cada edição da Universidade de Férias traz um tema específico, diretamente relacionado com a luta de classes no Brasil e no mundo. Desta vez — a primeira inteiramente à distância, por casa da pandemia —, o curso terá como título “O que foi o stalinismo” e abrangerá os principais eventos do século XX.

Diferentemente de um curso acadêmico, que seja promovido pela burocracia universitária ou pelas instituições burguesas, o objetivo da Universidade de Férias não é o de reforçar a dominação dos capitalistas sobre a população. Muito pelo contrário: a Universidade de Férias tem como missão combater toda a ideologia reacionária e conservadora da classe dominante para guiar os trabalhadores a uma ação prática: a derrubada do ordem vigente.

Estudar o que foi o stalinismo, neste sentido, tem um propósito muito bem definido para o nosso Partido: varrer das fileiras da esquerda e do movimento operário de conjunto toda sorte de tendência revisionista, reacionária e nociva à luta pelo socialismo. Não se trata de uma discussão abstrata ou mesmo passional do stalinismo, mas sim a discussão sobre os caminhos que os militantes socialistas devem seguir para transformar a realidade.

Mais de mil pessoas deverão assistir, ao vivo, ao curso. Essa já é, em si, uma grande vitória para o nosso Partido. Mas é, também, uma vitória do movimento operário internacional. Não há um único curso verdadeiramente marxista no planeta de tamanha envergadura. E o marxismo, aqui, aparece em sua forma mais polêmica e mais atual. Em meio a todo o centrismo da esquerda pequeno-burguesa, que abaixa as suas bandeiras quando sente alguma pressão da direita, o PCO grita em alto e bom som: somos a defesa viva do marxismo em toda a sua profundidade teórica, da revolução russa de 1917 e da luta internacional contra a traição da burocracia soviética em todo o planeta.

Não somos “marxianos”. Não seguimos a doutrina marxista e “discordamos” disso ou daquilo outro. Marx não precisa ser adaptado, nem está obsoleto. Defendemos a guerra revolucionária do Exército Vermelho comandado por Leon Trótski contra os reacionários do Exército Branco. E defendemos, ainda, uma política independente para a classe operária, mesmo quando colocada diante da questão do imperialismo ou do fascismo.

É por causa desse tipo de política, inclusive, que somos acusados do crime de “falar de futebol”. Sim, falamos de futebol, de cultura, de economia e de tudo aquilo que diz respeito à classe operária. Por isso que nos interessa, igualmente, discutir o que foi o stalinismo. Sem um balanço histórico científico sobre a mais importante experiência que a classe operária fez na sua história, não é possível seguir em frente. Ignorar, portanto, que uma burocracia tenha sido responsável por afundar tantas e tantas revoluções pelo mundo é um grave erro.

Até porque a burguesia, no último período, decidiu levantar o malcheiroso cadáver do stalinismo, sobretudo no Brasil. E por quê? Porque seria esse um método pseudo-radical para levar adiante a política de colaboração de classes. Política essa que se torna cada vez mais complexa na medida em que a polarização política vai aumentando.

No Brasil, assim como em todo o mundo, a polarização política vem aumentando rapidamente. E se, de um lado, a direita vai se tornando cada vez mais reacionária, transformando o regime em uma verdadeira ditadura, de outro, a esquerda vai desenvolvendo cada vez mais seu potencial revolucionário. Por esquerda, obviamente, não me refiro à esquerda pequeno-burguesa, fadada aos mesmos erros do stalinismo. Mas sim ao movimento de luta contra o golpe, que tem no PCO a sua expressão mais consciente, e, no ex-presidente Lula, sua liderança mais forte.

É por isso que aqueles que hoje ressurgem como simpatizantes do stalinismo são inimigos políticos do PCO e da ala lulista do PT. Jones Manoel e Breno Altman, por exemplo, são notórios defensores da burocracia soviética e estão a serviço da frente ampla: fizeram campanha em favor de Guilherme Boulos contra Lula e são contra a mobilização pelo Fora Bolsonaro.

E é por isso, por fim, que o curso que se inicia hoje tem tanta importância. Enquanto a esquerda nacional iniciará apoiando Rodrigo Maia na Câmara dos Deputados, o PCO reunirá mil pessoas para denunciar e desmistificar o stalinismo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas