Farsa
Não há vitória a ser comemorada. Quase 50 milhões de pessoas não conseguem ter acesso ao Auxílio Emergencial em meio à pandemia
10/03/2017- Rio de Janeiro- RJ, Brasil- As agências da Caixa Econômica Federal antecipam em duas horas o atendimento aos clientes devido aos saques das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço. Foto: Tomaz Silva / Agência Brasil
Foto: Tomaz Silva / Agência Brasil |

Quase 100 milhões de cadastros de trabalhadores informais e desempregados já foram enviados e analisados solicitando o Auxílio Emergencial de R$ 600,00 aprovado pelo Congresso Nacional devido à pandemia de coronavírus, segundo a Dataprev. Foram enviados para a Caixa apenas o valor equivalente a 52,1% do necessário para pagar todos que preenchem o critério para recebê-lo. Os outros quase 50 milhões foram classificados como inelegíveis, que não preencheram os critérios da lei, ou inconclusivos, que precisam de complementação no cadastro.

 

Veja abaixo o detalhamento das análises de cada grupo:

GRUPO 1 – MEIs, CIs e Informais (inscritos no aplicativo e portal Caixa)

Cadastros recebidos: 46,0 milhões

Cadastros processados: 44,96 milhões (97,7%)

CPFs Elegíveis: 20,52 milhões (45,6% dos processados)

CPFs Inelegíveis: 10,77 milhões (24% dos processados)

Inconclusivos: 13,67 milhões (30,4% dos processados)

GRUPO 2 – (Cadastro Único e beneficiários do Programa Bolsa Família)

Cadastros recebidos: 19,9 milhões

Cadastros processados: 19,9 milhões (100%)

CPFs Elegíveis: 19,2 milhões (96,5% do total)

CPFs Inelegíveis: 0,7 milhões (3,5% do total)

GRUPO 3 – (Cadastro Único e não beneficiários do Programa Bolsa Família)

Cadastros recebidos: 32,1 milhões

Cadastros processados: 32,1 milhões (100%)

CPFs Elegíveis: 10,8 milhões (33,64% do total)

CPFs Inelegíveis: 21,3 milhões (66,35% do total)

 

Mesmo com a solicitação do Auxílio já aprovada, milhões de brasileiros sofrem ainda com o grande atraso do pagamento classificado como emergencial, enquanto R$ 1,216 trilhão já foi entregue aos banqueiros. Isso demonstra o tamanho da farsa, aplaudida e apontada pela esquerda como uma vitória popular. Não há nada a ser comemorado.

Este auxílio, que não passa de uma demagogia do governo Bolsonaro, foi dado como uma esmola à classe trabalhadora que sofre diariamente com os ataques da direita, com as perdas de direitos, diminuição de salários e está sendo a maior prejudicada pela falta de assistência do governo diante da crise da saúde. E para a maioria dos brasileiros desesperados pela crise econômica nem sequer essa esmola chegaram a receber. Ou seja, foram feitos de otários pelo governo dos banqueiros e ricos.

Relacionadas