Violência contra as mulheres
Dados de pesquisa refletem aquilo que já é do conhecimento de todas as mulheres, as trabalhadoras são a parcela mais oprimida dentro da sociedade e do capitalismo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
tim (3)
Mulheres são ainda mais oprimidas dentro do mercado de trabalho | Foto: Reprodução

As mulheres são a parcela da classe trabalhadora mais oprimida, e isso não seria diferente em um dos ambientes em que ela é mais explorada, no caso o mercado de trabalho. Segundo pesquisa do Instituto Patrícia Galvão realizada com 1500 pessoas (1000 mulheres e 500 homens) cerca que 40% das mulheres já sofreram assédio moral em seus postos de trabalho, contra 13% dos homens. Gritos, xingamentos e outras agressões são os mais relatados pelas vítimas.

Quanto a outros atos de violência psicológica contra as mulheres, 40% revelaram que já sofreram com o trabalho excessivamente supervisionado, ou seja, uma grande pressão psicológica, além de 39% já ter recebido convites para sair ou sofreram alguma insinuação constrangedora no trabalho vinda de algum homem. Quanto a preconceito ou abuso devido ao sexo 36% das mulheres consultadas revelaram já terem sofrido também com esse tipo de situação no trabalho por serem mulheres. No total, 76% das mulheres afirmaram já ter passado por uma ou mais situações de violência e assédio em seus empregos.

As mulheres são ainda mais oprimidas em seus trabalhos justamente porque as suas condições dentro do mercado de trabalho são piores, mulheres tendem a ocupar cargos mais baratos e a realizarem serviços que requerem menos instrução e consequentemente acabam sendo as maiores vítimas diante de crises econômicas e de ambientes insalubres no mercado de trabalho. O capitalismo que já explora ferozmente todos os trabalhadores chega com força ainda maior para com as mulheres, que são ainda mais oprimidas e sofrem ainda mais e de forma mais potencializada todos os problemas vindos da exploração capitalista.

Além dos problemas causados pelo capitalismo, as mulheres ainda precisam lidar com o machismo e o preconceito, que apenas potencializam a opressão que as mesmas já sofrem fora dos seus postos de trabalho. A opressão das mulheres no mercado de trabalho acontece de forma muito mais intensa por elas serem previamente a parte mais oprimida da sociedade, e todas as suas condições são reflexo de toda a estrutura que proporciona essa opressão e exploração dentro da sociedade capitalista.

Diante de um quadro tão violento, é mais do que necessário a mobilização e a organização das mulheres trabalhadoras pelo governo operário e pelo fim da exploração capitalista e por seus direitos democráticos. Somente com a revolução social e com o fim da exploração capitalista é que as mulheres conseguirão a sua verdadeira emancipação social. Por isso é imprescindível a sua participação e organização dentro do partido operário revolucionário, por se tratar da parcela mais oprimida da classe trabalhadora.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas