Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
juanperon
|

Em 4 de junho de 1943, ocorria na Argentina a chamada Revolução Nacional ou dos Coronéis, colocando fim governo de Ramón Castillo que coroara a chamada Década Infame, iniciada com o golpe conservador de 1930 – seguindo-se à crise do capitalismo global deflagrada no ano anterior, que comprometera a economia exportadora agrária Argentina. Tal conjuntura econômica forçou a Argentina da Década Infame a uma industrialização – com consequente êxodo rural e piora das condições de vida da população, num regime – ora militar ora civil – que se viabilizava por meio de sucessivos golpes e fraudes eleitorais.

O golpe foi desencadeado no dia 3 de junho, com a renúncia de Castillo, por haver vindo à tona uma concertação para sua candidatura a presidente pela ala direitista da governista Unión Cívica Radical, à revelia de tratativas mais à esquerda dentro do próprio regime. Na madrugada de 4 de junho, cerca de 8 mil soldados saíram do Campo de Mayo em Buenos Aires, entrando em combate com forças governistas no bairro de Núñez, recebendo o apoio da marinha. e vencendo o confronto. Com o golpe, ascenderam ao poder sucessivamente os generais Arturo Rawson, Pedro Pablo Ramírez e Edelmiro Farrel.

Do ponto de vista militar, a classe trabalhadora era representada sobretudo pelo baixo oficialato – tenentes e coronéis. O coronel Juan Domingo Perón (1975-1974), fundador do Grupo de Oficiais Unidos, aderiu ao golpe e passou a chefiar o Departamento Nacional do Trabalho e Bem-Estar Social, realizando diversas alterações nas leis trabalhistas e dando vazão à pressão da classe operária organizada no ciclo de industrialização anterior. Perón ganhou grande popularidade sobretudo entre os descamisados – o proletariado mais humilde, granjeando apoio dos sindicatos.

Em 1945, com o fim da Segunda Guerra, o ex-coronel era vice-presidente e ministro da Guerra, quando foi deposto por um golpe militar e preso. Eclodiu então um forte movimento de luta, com greve geral e mais de 50 mil pessoas mobilizadas diante do palácio do governo. Sob pressão popular, Perón foi libertado, vencendo as eleições presidenciais do ano seguinte e permanecendo no poder até ser finalmente deposto por um golpe militar em 1955.

Embora fosse politicamente ambíguo – simpatizante do fascismo, o líder buscaria exílio na Espanha franquista na década de 1960 – Perón nacionalizou as empresas de energia elétrica e gás, as ferrovias, o sistema de telefonia, promovendo o desenvolvimento industrial e mantendo em níveis aceitáveis os salários e empregos, tendo implementado benefícios como aposentadoria, férias remuneradas e assistência médica gratuita.

O dia 4 de junho de 1943, portanto, marcou nada menos que o início dos governos de tipo nacionalista burguês na Argentina – o chamado peronismo – que até hoje tem importante expressão no país vizinho, na figura de Cristina Kirschner.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas