Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Giuseppegaribaldi
|

Há 212 anos, nascia em Nice – cidade da Côte d’Azur – Giuseppe Garibaldi, combatente revolucionário de terra e mar que tomaria parte de lutas tão diversas quanto a Revolução Farroupilha, no Rio Grande do Sul, a Guerra de Secessão Norte-Americana, a Guerra Franco-Prussiana ou o cerco a Montevidéo – no Uruguai. As guerras de independência e unificação da Itália seriam porém sua principal bandeira.

Filho de um barqueiro, Garibaldi cedo lançou-se à vida de marinheiro. Foi comandando a escuna Clorinda que conheceria em 1933 em Taganrog, na Rússia, as ideias do socialista utópico Henri Saint-Simon e sobretudo o movimento Jovem Itália, comandado por Giuseppe Mazzini, que visava a organizar um levante popular pela unificação italiana. Unindo-se ao movimento, participou de um levante malsucedido em Gênova em fevereiro do ano seguinte, sendo preso e condenando à morte.

Logrando escapar, Garibaldi – então com 28 anos – fugiu para o Rio de Janeiro, no Brasil, onde foi membro da chamada Congrega della Giovine Italia, conhecendo Luigi Rossetti e Bento Gonçalves – então preso na capital – e unindo-se à causa republicana da Revolução Farroupilha com uma Carta de Corso do último para capturar embarcações do Império. Foi preso em ação pelas forças uruguaias e encarcerado na Argentina, conseguindo escapar mais uma vez, fugindo de volta para o Rio Grande do Sul onde foi incumbido de criar um estaleiro em Camaquã em 1839. Com suas embarcações, deu combate à marinha imperial em diversos pontos do sul sob comando de David Canabarro, inclusive Laguna e Imbituba. Participou ainda de combates em terra, como a conquista de São José do Norte junto ao próprio Bento Gonçalves.

Em Laguna, conheceria e mais tarde desposaria Ana Maria de Jesus Ribeiro (1821-1849). Ela o acompanharia em lutas nos dois continentes, tornando-se conhecida pelo nome de Anita Garibaldi. O casal teria quatro filhos.

Dispensado a pedido das forças revolucionárias, rumou com sua esposa e seu primeiro filho para Montevidéu, ali estabelecendo-se em 1841 e casando-se com Anita no ano seguinte. Chegou a comandar ataques à Argentina pela marinha uruguaia auxiliando na defesa da capital. A essa altura, as façanhas de Garibaldi na América do Sul já eram conhecidas na Itália, aonde retornaria em 1848, formando a Legião Italiana e dando combate à Austria e à França com Mazzini pela independência da Itália. Eleito deputado republicano na assembleia constituinte da República Romana, o revolucionário se recusaria a capitular na defesa da Cidade Eterna. Retirando-se para o norte com quase quatro mil soldados perseguidos por forças dez vezes mais numerosas de espanhóis, napolitanos e franceses. Na retirada, Anita faleceria próximo a Ravena.

A República fora suprimida em 3 de julho de 1849 e Garibaldi rumaria mais uma vez ao exílio, primeiro em Tânger e depois em Staten Island, Nova York, em 1850, onde passou a trabalhar como fabricante de velas. Não tardaria a voltar para o mar, conhecendo países tão diversos quanto a Nicarágua, El Salvador, Peru e Austrália.

Retornando à Europa em 1854, se estabeleceria em Nice, onde supostamente pretendia dedicar-se à agricultura. Em 1858, lança-se novamente às guerras de unificação, agora em companhia de Enrico Cosenz e Giacomo Medici. Formando os Cacciatori delle Alpi, que tomariam praticamente todo o norte da Itália em 1959 e o sul no ano seguinte. No fim daquele ano, Garibaldi desfilaria diante do palácio do rei Vittorio Emmanuelle com cerca de 14 mil homens, 39 peças de artilharia e 300 cavaleiros, que se recusaria a revistá-los.

Em 1861, se voluntariaria a lutar na Guerra de Secessão Norte-Americana, sendo-lhe oferecido o cargo de general pelo presidente Abraham Lincoln, que no entanto ainda não aceitaria a outra condição de Garibaldi: declarar abolida a escravidão.

O revolucionário persistiria na unificação italiana, nominadamente visando a tomar Roma – sob jugo papal – e Veneza – ainda sob domínio austríaco, sucessivas vezes entre 1862 e 1867, sendo novamente preso diversas vezes. Em defesa da França, que apoiara a Segunda Guerra de Independência, Garibaldi comandaria uma bem-sucedida ocupação a Dijon em 1870. Foi seu último combate.

Mesmo como Deputado, Garibaldi se refugiaria com sua família em Caprera, na Sardenha, onde morreria em 2 de junho de 1882 aos 74 anos. Por sua tenacidade, sua capacidade de comando, sua inteligência e seu espírito revolucionário, Garibaldi é hoje rememorado em todos os lugares em que deu combate, inclusive no Brasil e evidentemente na Itália, onde é reverenciado como herói da unificação. Garibaldi sempre compreendeu a natureza concreta da verdadeira luta política como um embate entre forças reais, as quais priorizou à cretinice parlamentar.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas