34 usinas estão paralisadas em Minas Gerais por conta da greve de caminhoneiros

etanol

A greve dos caminhoneiros, que nesta sexta feira, 25 de maio, chega a seu quinto dia continua a fechar estradas impedir que a circulação de mercadorias em várias partes do país. Em minas Gerais, as 34 usinas de açúcar e etanol continuam sem conseguir vender e escoar o biocombustível e encontram muitas dificuldades para a venda do açúcar.

Ainda hoje encontram-se cerca de 66 pontos de protestos nas rodovias do estado, restringindo a circulação de caminhões e veículos de carga. Segundo o presidente da Associação das Industrias Sucroenergéticas de Minas Gerais (Siamig) “ainda está tudo parado e sem sinalização. Além do bloqueio das rodovias, o desabastecimento de combustível também atinge as usinas e impede que as máquinas operem.

Os efeitos da greve dos caminhoneiros, que reivindicam a baixa dos preços dos combustíveis, podem ser sentidos em todo o país e atingem desde os consumidores até setores mais organizados da indústria. A alta dos preços é parte da política entreguista do governo Michel Temer, que quer entregar a Petrobrás para os capitalistas estrangeiros.