Menu da Rede

Nordeste saiu às ruas pelo fora Bolsonaro

Superexploração

32 milhões de brasileiros trabalhando mais e ganhando menos

A crise econômica do país está servindo como desculpa para que os patrões - agora invisíveis - pesem a mão sobre o trabalhador

Entregadores do Ifood enfrentando fila para esquentar suas marmitas. – Foto: Reprodução.

Publicidade

Segundo um estudo apresentado pelo Instituto Locomotiva e apresentado pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) em seu portal online, a crise, provocada pela ingerência dos governos golpistas de Direita, recaiu, mais uma vez, sobre as costas dos trabalhadores brasileiros. Segundo o levantamento, o alto índice de desemprego, a pandemia e o agravamento da situação econômica do Brasil abriram um espaço para que a exploração dos trabalhadores do país se agravasse, de forma que os mesmos estão sendo submetidos a jornadas mais longas e com salários menores, principalmente em empresas de plataformas digitais.

Outro fenômeno apontado pelo levantamento é o de que, agora, o “chefe”, o “patrão” dessas pessoas ficou invisível, de forma que o celular faz este papel, quando não um algoritmo pré-programado. Se já era difícil conseguir um horário para discutir salários e direitos trabalhistas com uma pessoa real, se tornou impossível com esta nova modalidade de trabalho. Segundo o estudo, de fevereiro do ano passado até agora, 11,4 milhões de novas pessoas recorreram a aplicativos como Uber, Ifood, Rappi, 99Táxis, etc., para garantir suas rendas. O número agora é de 32,4 milhões de pessoas, ou 20% da população adulta do país, que utiliza aplicativos para trabalhar. Antes da pandemia, era 13%.

O neoliberalismo, como vemos, tenta todos os dias vender a imagem de que as empresas de aplicativos estão ajudando a população, que estão “salvando” os empregos do Brasil. Entretanto, escondem a relação tenebrosa que possuem com seus trabalhadores, em que alguns aplicativos específicos pagam R$ 1,00 (um real) por quilômetro rodado para seus entregadores. Não obstante, como bem observado pelo artigo da CUT, os pequenos empresários também estão sofrendo, quando não fechando por conta das grandes empresas de e-commerce e seu caráter monopolista na internet. “Quando uma empresa deixa de pagar a Previdência de um trabalhador terceirizado, ela não ajuda a pagar o sistema de saúde e a educação gratuitos que este trabalhador e seus filhos utilizam. Ela sobrecarrega o serviço público, transformando a economia das cidades”, disse Ari Aloraldo, Secretário de Relações de Trabalho da CUT.

Tudo isso acontece, justamente, através do sistema financeiro do País, este que está umbilicalmente ligado às plataformas que incentivam e financiam lançamentos de startups que depois são compradas por elas mesmas. “Quem financia o que chamo de plataformismo é o setor financeiro, que fecha seus setores de pesquisas e incentivam o surgimento de startups. Tudo isso se encaixa de uma etapa da reestruturação produtiva onde a dominação tecnológica reforça a hegemonia financeira do capitalismo. A consequência é mais a precarização, a vampirização da renda, num processo sem igual na história da humanidade”, disse o professor do IFF Roberto Moraes.

“A pesquisa faz um bom diagnóstico, mas com aquele olhar da empregabilidade, como um grande setor que absorveu mão de obra, mas não discute a qualidade da ocupação. No entanto, ela reflete a questão social que o país enfrenta”, disse Ari Aloraldo. O professor Roberto Moraes, chama, no artigo da Central Única, o fenômeno de “plataformismo”, uma nova modalidade de trabalho onde quem treina os algoritmos e escreve os aplicativos são os funcionários mais qualificados – e minoritários –, enquanto a grande maioria que faz o produto funcionar são os menos qualificados que utilizam os aplicativos como ferramentas de trabalho, enquanto obedecem a um chefe invisível. Não tem, nunca, por exemplo, acesso a uma pessoa do RH ou ao seu patrão para reclamar ou justificar suas possíveis falhas e faltas.

“É uma mudança colossal, o chefe dele, o capataz, não é mais o seo João, é o celular, é o algoritmo e ele passa a ter relação meio lúdica, que não teria no chão da fábrica”, ressaltou Moraes. É através disso que, segundo Roberto, os entregadores de aplicativos agem como jogadores de vídeo games: eles precisam vencer certos obstáculos e acumular pontos para conseguir mais pedidos e, desta forma, ganhar mais dinheiro. Entretanto, quando perdem a pontuação por qualquer motivo, não tem a quem recorrer a não ser, claro, o próprio aplicativo que lhe responde com uma mensagem padronizada. “É um processo de dominação tecnológica, de escravização, de servidão, de super exploração, em que a pessoa pede pelo amor de Deus para trabalhar e ter condição de, no mínimo, sobreviver (…) Hoje há um feudalismo digital, o senhor, o patrão, é dono da Big Tech, o Rappi, o Ifood e o servo é o trabalhador do aplicativo, que nem pode fugir para um quilombo”, disse Roberto. “ Não se tem proteção social, é um bico que só vale quando seu carro funciona, e se seu celular é bom com um a boa conexão de internet”, critica o dirigente.

Além daqueles que estão nas ruas se arriscando todos os dias, o levantamento considerou, também, a situação dos trabalhadores do Home Office. Segundo o artigo da CUT,  basta fazer um levantamento sobre adoecimento físico e mental dos trabalhadores em home office para se chegar à conclusão que eles tomam menos sol do que presidiários. “Parece prisão domiciliar, mas a casa do trabalhador virou extensão da empresa e ele ainda tem de pagar com toda a estrutura, com os móveis que teve de comprar, o uso da água, da energia, do ar condicionado. Enfim, toda a estrutura e ferramentas do trabalho recaem sobre o trabalhador”, afirmou Ari Aloraldo. Entretanto, o presidente do Banco Santander disse que o home office está “dando sinais de porosidade” de trabalho, de forma que a tendência é que se enxugue, cada vez mais, o setor em face da suposta desnecessidade de agências físicas, mesmo nas grandes cidades. Com o PIX, os aplicativos e os sites, as agências seriam desnecessárias – bem como o emprego de seus trabalhadores.

Por exemplo, As fintechs (majoritariamente startups que trabalham para inovar e otimizar serviços do sistema financeiro), segundo ele, são um grande mercado. O PagSeguro do UOL representa ¾ do lucro da empresa do grupo da Folha de S. Paulo. O Mercado Pago, do Mercado Livre teve um lucro, em um ano na América Latina, por meio deste tipo de pagamento, de US$ 50 bilhões e na venda de mercadoria direta e indireta, o shopping virtual, de US$ 20 bilhões. De acordo com Moraes, o capitalismo de plataformas é movido por dois fatores fundamentais: o primeiro é a enorme extração de valor do trabalho e de suas rendas no território, no lugar onde as pessoas vivem, na base da pirâmide social; o segundo seria a escala nacional global em que essas infraestruturas podem atuar contra economias regionais de onde recolhem seus excedentes, eliminando parte do comércio e outros empregos e alterando as economias locais.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.