Hoje na História
EM 1951 morria o ex-Comissário do Povo para Relações Exteriores da URSS (1930-39), Maxim Litvinov
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Литвинов,_Калинин,_Янь_Дзе
Maxim Litvinov, Comissário das Relações Exteriores, e Mikhail Kalinin, presidente de la URSS | Foto: Reprodução

Em 31 de dezembro de 1951 faleceu de um ataque cardíaco, após um acidente de carro que o deixou semanas no hospital, o diplomata soviético, e ex-Comissário do Povo para Relações Exteriores da URSS (1930-39), Maxim Litvinov. Antigo militante revolucionário, Litvinov esteve à cabeça da política externa da burocracia soviética durante os anos de 1930, auge da repressão política contra os elementos revolucionários do Partido Comunista Russo e os dissidentes e críticos da política contrarrevolucionária da burocracia stalinista, justamente por defender uma política de abertura, conciliatória com os países imperialistas ditos democráticos, em particular França e Grã-Bretanha. .

Nascido Meir Henoch Wallach-Finkelstein, em uma rica família judia na Rússia em 1876, Maxim ingressa ao 16 anos no exército; ao deixá-lo, por volta do início do século, adere ao movimento revolucionário e inicia sua ,militância no Partido Operário Social Democrata Russo. É preso pela Okhrana e após 18 meses de prisão foge para a Suíça. No exílio ingressou no conselho editorial do ISKRA. Participa da Revolução de 1905 e torna-se editor do Novaya Zhizn (Nova Vida). Após a revolução de outubro de 1917 desempenha papel diplomático no governo revolucionário, sendo nomeado em 1921 Vice-Comissário para as Relações Exteriores da nascente URSS. Desempenhou ainda funções de embaixador na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos.

Por sua política conciliatória, já conhecida do Partido, e pela experiência diplomática e contatos com França e Inglaterra, embora não sendo considerado totalmente confiável pela alta esfera da burocracia, cumpriu a função de estabelecer maiores laços entre a União Soviética e esses países imperialistas. Com o novo giro político e a tentativa de firmar acordos com a Alemanha Nazista, e também por sua ascendência judaica, fora retirado do cargo de Comissário, servindo posteriormente como Embaixador nos EUA. Ao retornar a URSS assumiu o cargo de vice-ministro das Relações Exteriores, sendo demitido em 1946.

Aventou-se na época na possibilidade de o acidente que acabou acarretando a sua morte ter sido obra de Stalin, o que não fora confirmado até hoje. A política externa da burocracia soviética foi marcada por grandes giros e ziguezagues, pois tinha por orientação, naturalmente, a mesma que a política interna, ou seja, a defesa dos interesses imediatos da burocracia soviética, por isso marcado por sobressaltos e bruscas viragens ideológicas, sempre, contudo suscitando o “marxismo-leninismo” dos tolos, quer dizer a doutrina stalinista, como justificativa, hora conciliando-se com setores do imperialismo, hora com outros setores, como num jogo em que os único objetivo é manter a si e os seus privilégios vivos.

Essa é a essência da política exterior da burocracia, que Litvinov ajudou a consolidar: subordinar o Estado Operário aos mesquinhos interesses de uma casta alienígena dirigente.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas