30 de agosto de 1995: imperialismo usa OTAN para bombardear a Bósnia com participação da ONU

CAPA CERTA

Em 30 de agosto de 1995, começa a operação Operation Deliberate Force (Operação Força Deliberada) levada a cabo pela OTAN até 20 setembro de 1995.

O Ataque aconteceu durante a Guerra da Bósnia, maior conflito na Europa desde o fim da Guerra Fria, que ocorreu entre abril de 1992 e dezembro de 1995.

O imperialismo, através da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) – basicamente o exército internacional do imperialismo – atacou, conjuntamente com as forças armadas da Organização das Nações Unidas (ONU) um território em disputa entre Bósnios, Croatas e Sérvios. Um esclarecimento: a ONU – tão propagada pelo imperialismo como organização humanitária, democrática e que luta pela paz – tem um grande efetivo de forças armadas, em Inglês a United Nations Protection Force (UNPROFOR).

A operação juntou cerca de 400 aeronaves, 5000 soldados de 15 países liderados pelo então almirante das forças armadas norte-americanas, Leighton W. Smith Jr. Mais de 1000 bombas destruíram o território da ex-Ioguslávia (principalmente na porção da Bósnia-Hezergovina), realmente pondo fim à guerra pela total destruição do território e aniquilação das populações civis e militares. A cidade de Saraievo foi reduzida a pó.

A própria ONU “pediu” a intervenção dos exércitos da OTAN. A farsa de uma organização humanitária fica clara aí e em conflitos desde a sua criação (24 de outubro de 1945) até os dias atuais.

Com a já conhecida desculpa de pacificar e acabar com um ditador (que, na realidade, significa assassinato em massa e destruição total de um povo e território e retirada de um governante que não se submete ao governo norte-americano, inglês e francês) o imperialismo devastou Saraievo.

Com exércitos da ONU, OTAN e outros diversos grupos de forças armadas, que, enfim, fazem parte da OTAN, o imperialismo matou em um período menor que um mês, de acordo com a ONU, juntando civis e militares sérvios, mais de 1000 militares e cerca de 400 civis. Esse número é obviamente falso, já que quem o produziu foi a organização que matou.

A ONU chegou a dizer que havia sido mortos apenas 27 civis e 25 militares sérvios.

Em dezembro de 1995 mais de 60 mil homens da OTAN tomaram o já devastado território de Saraievo.

O número de mortos após a guerra foi inicialmente estimado em cerca de 200.000 pelo governo bósnio. Também se registrou cerca de 1.326.000 refugiados e exilados.