Dia de hoje na história
O primeiro chanceler alemão designava o movimento trabalhista em ascensão como “inimigo do Reich”. Com a assim chamada “lei dos socialistas”, ele baniu, os partidos socialistas.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
18350159_303(1)
Bismarck, depois de Hitler, foi quem perseguiu os socialistas e, toda classe operária. | Foto: Reprodução

Aos 30 de julho de 1898, morre o Chanceler de Ferro, Otto von Bismarck, líder da unificação alemã. Por todo o país há homenagens ao “chanceler de ferro”: monumentos, torres, ruas e até carvalhos foram batizados com o seu nome. Na escola, aprende-se que ele não só unificou a Alemanha, como, em sua gestão como reichskanzler, de 1871 a 1890, introduziu o direito ao voto e sistemas de seguridade social, incluindo os seguros de saúde, aposentadoria e contra acidentes.

Otto von Bismarck, o “chanceler de ferro” nasceu em 1º de abril de 1815. Futuramente seria primeiro-ministro da Prússia e chanceler do Império Alemão. Uma figura ambivalente: para uns, promotor da paz e da justiça social. Para outros, pioneiro do militarismo germânico.

Bismarck, depois de Hitler, foi quem com seus valores conservadores, é responsabilizado pela perseguição do Reich aos socialistas. Preparou uma cultura parlamentar subdesenvolvida na Alemanha do fim de século 19 e início do 20; assim como pela criação de colônias alemãs na África e na Ásia.

Mas, afinal, Bismarck é super-herói ou arquivilão? A fundação do Reich, por exemplo, não foi uma iniciativa puramente alemã e muito menos obra pessoal de Bismarck, aponta o historiador Nonn. “Desse prolongado e complexo processo participaram muitas instâncias, tanto na Alemanha como também no exterior, com o que elas fizeram ou deixaram de fazer. Por exemplo, ao não tentar impedir a unificação.”

O chanceler usou Colônias como instrumento interno. E, mesmo assim, menos de 15 anos após a fundação do Reich, ele permitiu a criação dos assim chamados protetorados na África e na Ásia. “A questão não eram propriamente as colônias. Elas foram apenas um meio na luta pelo poder travada em Berlim”, afirma Nonn. O conservador Bismarck queria enfraquecer os liberais, seus oponentes políticos, e o príncipe herdeiro Frederico, simpatizante deles.

Contudo, em 1885 os liberais perderam as eleições, ficando politicamente debilitados. E o príncipe Frederico assegurou que seguiria associado ao chanceler conservador, mesmo depois da morte de seu pai, o imperador Guilherme 1º. “A partir daí, Bismarck encerrou imediatamente o episódio da política colonial”, conta Nonn.

O grande inimigo eleito por Bismarck. O primeiro chanceler alemão designava o movimento trabalhista em ascensão como “inimigo do Reich”. Com a assim chamada “lei dos socialistas”, ele baniu, na prática, os partidos social-democratas. Também a introdução dos seguros de saúde, aposentadoria e contra acidentes se deveu à rejeição de Bismarck ao movimento dos trabalhadores para evitar o “socialismo”.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas