Menu da Rede

IBGE: 70 milhões estão desempregados ou subempregados

30/03/1981

30/03/1981: há 40 anos, Ronald Reagan era baleado

18 presidentes norte-americanos já sofreram tentativa de assassinato

Ronald Reagan – Foto: Reprodução

Em 30 de março de 1981, há quarenta anos, o então presidente dos Estado Unidos Ronald Reagan sofria uma tentativa de assassinato. Com apenas 69 dias na presidência, Reagan seguia uma agenda de compromisso públicos com representantes da Federação Americana do Trabalho e Congresso de Organizações Industriais (AFL-CIO), quando foi alvejado. Reagan seria o primeiro presidente dos EUA a sofrer um atentado. 

A tentativa de assassinato

No dia 30 de março de 1981, às 13:45, Reagan entrou no Washington Hilton Hotel para participar de um almoço formal com representantes da  AFL-CIO. Pouco antes das 14:30, Regan saia do prédio através da T Street NW, para o veículo que lhe esperava, nesse momento John Hinckley, Jr. e o alvejou com um revólver Röhm RG-14 calibre .22.

Foram realizados 6 disparos. O primeiro projétil acertou a cabeça do Secretário de Imprensa da Casa Branca na época, James Brady. O segundo atingiu nas costas o Oficial de Polícia do Distrito de Columbia, Thomas Delahanty, o terceiro atingiu uma janela no outro lado da rua. O quarto atingiu o abdômen do agente do Serviço Secreto dos Estados Unidos Tim McCarthy, o quinto atingiu a janela do veículo presidencial. O sexto ricocheteou na limusine presidencial e atingiu Reagan na axila esquerda.

Reagan foi levado à Universidade George Washington. Na chegada, a equipe médica não tinha nenhuma maca preparada e Reagan foi conduzido ao atendimento andando, tendo, em certo momento, caído de joelhos. Com a persistência da hemorragia, após Reagan perder mais da metade do volume sanguíneo, o chefe da cirurgia resolveu operá-lo.

Quem era John Hinckley, Jr

Hinckley era um jovem de 25 anos, suposto caso de erotomania, que tinha obsessão pela atriz Jodie Foster, protagonista do Filme Taxi Driver. Hinckley supostamente teria uma identificação com o personagem principal Travis Bickle, interpretado por Robert De Niro. Na trama Bickle tenta assassinar um Senador americano que é candidato a presidente, essa teria sido a motivação principal do atentado, na visão de Hinckley a “maior prova de amor de todos os tempos” .

Outro ponto que chama atenção sobre Hinckley era a ligação estreita de sua família Hinckley com a família Bush do vice-presidente George H. W. Bush. John Hinckley Jr. é filho de John Hinckley Sr. cuja empresa Vanderbilt Energy Corp foi uma das principais patrocinadoras da campanha de George H. W em 1980. A relação era tão estreita que o irmão mais velho de Hinckley, Scott Hinckley tinha um jantar de negócios com Neil Bush, filho do Vice-Presidente George H.W. Bush.

John Hinckley Jr. foi dominado, imobilizado e preso em flagrante, entretanto no seu julgamento em 1982 teve o veredicto de “não culpabilidade em virtude de insanidade”. Compreendido como uma ameaça a sociedade, em consequência Hinckley foi mantido hospital psiquiátrico pelo próximos 35 anos

Quais as consequências

As consequências imediatas foram severas a parte dos demais alvejados, entretanto a Reagan teve uma boa recuperação e não teve maiores mudanças na sua linha política.

Após o julgamento de Hinckley, sua absolvição gerou grande insatisfação popular levando a alteração na legislação de defesa por insanidade tanto no Congresso dos Estados Unidos, como  em diversos estados. O modelo de avaliação do Código Penal foi trocado por um teste que inverte o ônus da prova de insanidade da acusação para o acusado, em três estados chegaram a abolir completamente a defesa por insanidade.

Essa não foi a primeira tentativa de assassinato a um presidente norte-americano. Na verdade, apenas a presidentes em exercício, houve 18 tentativas de assassinatos. Dessas 18 tentativas, 4 foram bem sucedidas levando a óbito os presidentes em exercício. Esses acontecimentos demonstram que o regime norte americano não é um modelo de democracia. Pelo contrário: seus governos são constituídos por meio da ditadura de uma classe social sobre a outra, de modo que o regime é instável e gera conflitos permanentes na disputa pelo poder.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.