3 de janeiro de 1521, Igreja católica excomunga Martinho Lutero, representante da oposição religiosa

lutero

No dia 3 de janeiro de 1521, o teólogo alemão Martinho Lutero foi excomungado pelo Papa Leão X que o declarou herege por fazer oposição à sua autoridade sobre a Igreja e por considerar as teorias de Lutero um desvio, uma renúncia da fé religiosa.

Pertencente à lista de inimigos da Igreja, Lutero, por meio dos seus escritos, criticava os princípios incontestáveis da Igreja Católica. A imprensa, recém inventada, tornou possível que as suas teses circulassem pela Itália, França e Inglaterra e chamassem a atenção de estudantes destes países que viajavam para a cidade de Wittenberg com o intuito de escutá-lo.

Um dos exemplos destas críticas pode ser encontrado no jovem padre Lutero que, em 1514, quando assumiu a igreja de Wittenberg, na Alemanha, questionava o comércio de cartas de indulgência que eram vendidas nas feiras livres em que os cidadãos pagavam em troca da absolvição dos seus pecados.

Em 1917, encaminhou 95 teses para os seus superiores da Igreja, as pregou na porta da igreja de Wittenberg e as distribuiu para várias cidades da Alemanha. Ao tomar conhecimento delas, em 1518, Roma abriu um processo contra Lutero por heresia. Em 1520, o Papa o ameaça de punição caso 41 pontos de suas teses não fossem revogados.

Diante desta situação, Lutero escreveu, em agosto de 1520, “A Nobreza Cristã da Nação Alemã” em que fazia referência ao Papa como o Anticristo. Além disso, fez um protesto em que queimou a bula papal, obras de opositores e um livro de leis católicas. Ao saber deste ato de protesto, o Papa o excomungou, em 3 de janeiro de 1521.

Lutero foi mantido sob a proteção dos príncipes que acreditavam que por meio dele seria possível tornar o poder de Roma limitado. Dessa maneira, convenceram o imperador a convidá-lo para a corte da cidade de Worms, na Alemanha. Porém, ao imperador insistir que suas críticas à Igreja Católica fossem retiradas, Lutero deixa Worms e é declarado como fora da lei.  Durante a viagem de volta, é sequestrado pelo príncipe Frederico, o Sábio, da Saxônia e acolhido no castelo da cidade de Wartburg onde começa a traduzir a bíblia para o alemão.

Esta proteção da nobreza alemã chama atenção para o fato de a Reforma Protestante proposta por Lutero não possuir apenas uma faceta religiosa, embora esta seja a principal. A burguesia e a nobreza, embora apoiassem a luta contra a Igreja Católica, pensavam unicamente na satisfação de seus interesses, especialmente no que era referente à propriedade de terras. Sob este aspecto, o protestantismo pode ser entendido como uma maneira de adaptar a religião cristã aos interesses da burguesia.