2ª Conferência Nacional Aberta: os movimentos populares devem se unir para enfrentar Bolsonaro

gleisi

No último dia 1º de janeiro, mais um representante do golpe de Estado tomou posse da Presidência da República. Dessa vez, o golpista é Jair Bolsonaro, elemento de extrema direita que é um inimigo declarado do movimento popular e operário brasileiro. Bolsonaro foi eleito através da fraude eleitoral que colocou Lula na cadeia e cassou a candidatura do ex-presidente, além de ter impedido milhões de pessoas de comparecerem as urnas.

O governo de Bolsonaro promete levar adiante ataques ainda mais duros as condições de vida do povo brasileiro e retirar direitos dos trabalhadores de uma forma extremamente violenta. O principal obstáculo ara o avanço do golpe e das políticas neoliberais de Bolsonaro são as organizações de luta do povo brasileiro, tais coo sindicatos, movimentos de luta pela terra e de ocupações urbanas, além dos próprios partidos políticos de esquerda, e é por isso que estas organizações estão na mira do novo governo.

O próprio Bolsonaro declarou antes mesmo de ser eleito que “com movimento social não tem conversa” e prometeu que colocaria várias organizações populares na ilegalidade sob o pretexto de serem organizações terroristas. Justamente por isso é que é extremamente necessário que o conjunto destas organizações assuma uma política de combate a extrema-direita, sem esperar nenhuma forma de dialogo por parte do governo e sem nutrir nenhuma esperança na conciliação com os setores golpistas.

A tarefa imediata do conjunto das organizações populares é fortalecer a unidade entorno da luta contra o Golpe de Estado, pela libertação imediata do companheiro Lula (preso político do regime) e pela retirada da extrema-direita do governo. Os golpistas ameaçam retirar todos os direitos democráticos da população e isso impõe que a luta dos trabalhadores se torne cada vez mais radicalizada.

Para levar esta luta adiante, e ampliar a unidade dos setores de luta da cidade e do campo, o Partido da Causa Operária (PCO) juntamente com os comitês de luta contra o Golpe irão realizar a 2ª Conferência Nacional de Luta Contra o Golpe e o Fascismo. A primeira conferencia, realizada em junho de 2018 mostrou o caminho para derrotar o Golpe, a segunda fortalecerá esse caminho e impulsionará o conjunto da luta. A 2ª Conferência será um dos momentos mais importantes da luta no Brasil e reunirá todos os setores dispostos a resistir aos ataques do governo e colocar abaixo o Golpe de Estado. Para derrotar o Golpe e libertar o companheiro Lula todos devem ir a 2ª Conferência Nacional de Luta Contra o Golpe e o Fascismo.