Dia de Hoje na História
O teórico francês Georges Sorel foi um dos principais expoentes da corrente do revisionismo de esquerda, com formulações estranhas à doutrina do marxismo revolucionário
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
georges-sorel-28cropped29-JG1H5J
Georges Sorel (2 de novembro de 1847 – 29 de agosto de 1922) | Reprodução

O teórico francês Georges Sorel foi um dos expoentes da corrente revisionista do marxismo. Ele foi engenheiro, formado pela Escola Politécnica. Suas ideias foram muito populares em seu país, na Itália e nos Estados Unidos.

O revisionismo político de Sorel significa um desvio do marxismo. Sorel recusa a cientificidade do pensamento de Marx e Engels e coloca em primeiro plano  o espontaneísmo da ação política, algo completamente alheio aos pressupostos da doutrina marxista. Por sua concepção anarcossindicalista, Sorel aposta no movimento espontâneo das massas revolucionárias em direção a um greve geral, que aboliria o capitalismo, mas sem passar pela construção de um partido de vanguarda, operário e revolucionário que conduza os trabalhadores à tomada do poder do Estado.

Esse revisionismo vai no sentido da teoria da ação, que recusa a análise sistemática das condições objetivas e subjetivas do desenvolvimento da luta de classes.

O partido político do proletariado é recusado em detrimento da organização de tipo sindical. A participação política do proletariado nas instituições representativas da burguesia é considerada um desvio para a luta dos trabalhadores.

Em relação ao método, Sorel parte de uma concepção idealista, considerando que a revolução ocorreria, antes de tudo, na esfera da consciência. Isto é, o desenvolvimento da consciência não seria uma questão eminentemente prática, ligado às condições econômicas e políticas.

O marxismo é classificado na categoria de mito. A mobilização dos trabalhadores não seria uma questão racional, de análise das condições concretas e vinculadas a interesses materiais, mas sim algo de tipo irracional. As condições para a revolução não são objetivas, mas instintivas, a inconsciência coletiva trazida à tona de modo violento pela força do mito. Isto é, o racional, a análise política e a doutrina são substituídos por concepções irracionais.

Sorel é o principal expoente do revisionismo de esquerda, com formulações aparentemente ultrarrevolucionárias, mas que vão na contramão da verdadeira doutrina revolucionária marxista de Marx e Engels. O revisionismo, de modo geral, abdica dos princípios do marxismo e é incapaz de levar a classe operária mundial à derrubada da burguesia e ao socialismo.

A entrada do capitalismo em sua fase imperialista, que ocorreu no final do século XIX, cria uma camada oportunista que se adapta ao regime político burguês. Daí surge a tendência política do revisionismo, que coloca a ideia da evolução pacífica do capitalismo em direção ao socialismo mediante reformas no ordenamento jurídico burguês.  A catástrofe social ocasionada pelo sistema capitalista, que geraria as convulsões sociais que apontariam para sua superação, é substituída pela evolução pacífica e uma série de formulações especulativas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas