Retrospecto do golpe no Haiti
Há exatos 16 anos, o presidente eleito do Haiti, Jean Bertrand Aristide, renunciava e fugia para a África do Sul.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
aristide
O ex-presidente do Haiti Jean-Bertrand Aristide. Fonte: Caribbean National Weekly |

Em 29 de fevereiro de 2004, após toda uma campanha golpista da burguesia que se desenvolveu desde sua eleição – inclusive com o avanço de tropas paramilitares vindas da República Dominicana – o presidente do Haiti, Jean-Bertrand Aristide, renuncia ao seu mandato. Após a sua renúncia, Aristide foge para a África dentro de um avião dos EUA, acompanhado por militares norte-americanos. Sua ação se dá por influência do Secretário de Estado dos EUA, general Colin Powell, que o aconselha a renunciar por não haver a possibilidade de ele se enfrentar com os rebeldes, já que não possuiria apoio popular naquele momento.

Seria a segunda vez que Aristide teria seu mandato interrompido, tendo sido a primeira em 1991, em que foi derrubado por um golpe militar executado pelo General Raul Cedras. Depois da renúncia do presidente eleito do Haiti, o governo norte-americano celebrou e disse que a crise que levou à sua derrubada foi consequência de suas próprias ações, que não estaria governando a favor dos interesses do Haiti.

No entanto, é preciso ter claro que os conflitos que se desenvolviam naquele momento no Haiti foram todos fomentados pela própria influência norte-americana. Os EUA nunca deixaram de intervir na estabilidade da nação caribenha, a primeira a abolir a escravidão no continente, graças a uma luta encarniçada de seu povo contra o imperialismo. Desde o final do Sec. XVIII, quando o Haiti se tornou independente e autônomo, com seus ex-escravos tendo sido transformados em cidadãos, o país vem sendo alvo de bloqueios, de boicotes, de tentativas de golpe e de cercos de todo tipo.

Após esse golpe de estado de 2004, que culminou com a renúncia de Aristide do poder, o Haiti foi ocupado por tropas estadunidenses, francesas e canadenses, que vinham para reprimir a população do país, já à beira de uma guerra civil. Posteriormente, a missão passou a ser comandada pelo Brasil e as tropas dos países imperialistas foram substituídas pelas brasileiras e também por tropas da Argentina, Chile, Nepal, Sri Lanka e Uruguai, que ficaram encarregadas de fazer o trabalho sujo do imperialismo e massacrar o povo haitiano.

As tropas brasileiras deixaram o país apenas no ano de 2017, após 13 anos de ocupação. Aristide retornaria ao Haiti apenas em 18 de março de 2011, a despeito da vontade do imperialismo, inclusive com seu partido tendo sido impedido de participar nas eleições daquele ano.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas