Futebol nacional
Um dos maiores jogadores que o mundo já viu, Garrincha completaria 87 anos hoje.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
qfl_fto_12979-1280x720
Mané Garrincha | Foto: Reprodução

Manoel Francisco dos Santos, nascido em Magé, região metropolitana do Rio de Janeiro, ponta-direita, ídolo do Botafogo Futebol e Regatas. Mané Garrincha é considerado por muitos como o maior driblador que o futebol já viu. Era um jogador espetacular que admirava a todos que o viam jogar.

A maravilha que ele provocava ao dar seus dribles desconcertantes fez nascer a expressão Anjo das pernas tortas. A emoção que causava nas massas que torciam pela seleção brasileira de futebol fizeram-no ganhar a alcunha de Alegria do povo.

Sem comparação com o maior jogador de todos, que foi Pelé, Garrincha fez uma parceria invencível, literalmente, com o Rei. Juntos jogando pela seleção os dois jamais perderam um jogo sequer. Garrincha conquistou as copas de 58 e 62, esta última, após a contusão de Pelé – substituído por Amarildo no restante da competição –, o Mané tornou-se o principal jogador da seleção. Foi artilheiro da competição com quatro gols e melhor jogador da Copa de 62. Além dos gols, deu duas assistências, participando de 6 dos 14 gols do Brasil naquela Copa.

O ponta-direita de 1,69m possuía uma perna seis centímetros maior que a outra. Tinha problemas nos dois joelhos, estrabismo e um desequilíbrio pélvico. Além dos problemas de nascença, também teve problemas com alcoolismo, o que acabou provocou sua morte com apenas 49 anos.

A sua partida de estréia em Copas do Mundo foi em 1958 contra a União Soviética. Uma partida emblemática e histórica, pois também foi a estréia de Pelé. Após uma partida ruim contra a Inglaterra, pela segunda rodada, uma demorada reunião, que reuniu a comissão técnica comandada por Vicente Feola, mudou para sempre o futebol mundial.

Após horas reunidos no quarto do chefe da delegação Paulo Machado de Carvalho, ficou decidido a saída de Mazola para a entrada de Pelé, então com 17 anos. Também Joel, considerado um excelente ponta-direita, deveria dar lugar ao surpreendente Garrincha de 25 anos. O Brasil tentaria romper a estratégia baseada na ciência que era utilizado pelo técnico russo Gavril Karchalin, campeão olímpico dois anos antes.

Ao começar o jogo, que poderia desclassificar o Brasil, Feola lembrou Didi de que o primeiro passe deveria ser para Mané Garrincha. O jornalista Nelson Rodrigues conta que “a desintegração da defesa começou exatamente no primeiro momento em que Garrincha tocou a bola”. Jornalistas definiram aquele momento como “lendário” e “os três melhores minutos da história do futebol”. Garrincha acertou a trave, Pelé também, Didi lançou Vavá para fazer o primeiro gol do 2×0.

O lateral esquerdo Boris Kuznetzov sofreu naquele dia com o Anjo de pernas tortas, para a alegria do povo brasileiro. No início do jogo o jogador soviético já havia caído ao chão algumas vezes por causa dos dribles desconcertantes de Garrincha. Em 62, Garrincha foi o principal jogador, tanto que aquela copa recebeu o nome de “Copa de Garrincha”.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas