Dia de Hoje na História
De 1936 à 1939 ocorreu uma das guerras civis mais famosas de todos os tempos, a Guerra Civil Espanhola. Por conta da política equivocada das direções, o fascismo venceu a guerra
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
no-pasaran-cartel
Famoso cartaz em uma das entradas de Madrid, 05/10/1936: EFE |

A Guerra Civil Espanhola, que durou entre 1936 e 1939 com a vitória dos fascistas, talvez seja o exemplo mais bem acabado de como a política de frente popular impede tanto a revolução socialista, quanto o combate ao fascismo. A política que foi impulsionada por um Stálin temeroso, de que a revolução na Espanha pudesse quebrar o pacto realizado com o imperialismo por parte da burocracia soviética, gerou inúmeras mortes, impediu a revolução socialista de acontecer e mergulhou a Espanha em uma ditadura que durou até 1975.

Vigorava na Espanha um sistema republicano conhecido como Segunda Republica. Esse sistema, que havia acabado com a monarquia em 1931, passa por 2 governos, um mais à esquerda e outro à direita até chegar a 1936, em que a esquerda se une a partidos burgueses para formar a Frente Popular. Essa Frente Popular fica no governo somente por 6 meses, quando, no dia 17 de julho, explode um golpe de estado militar impulsionado pela burguesia e que, dentre outros grupos, engloba a Falange de Franco.

No dia seguinte ao golpe militar, os trabalhadores que se agrupavam nas duas centrais sindicais espanholas, a CNT e a UGT, tomam os quarteis generais de algumas cidades, dentre elas, as duas mais importantes, Madrid e Barcelona.

É dado início então à Guerra Civil Espanhola. Durante os próximos três anos que se seguiram na Espanha, o país ficou dividido entre os territórios ocupados pelos fascistas e os territórios ocupados pelos republicanos.

É importante dizer que no interior do grupo de republicanos, em que também estavam os comunistas, os socialistas e anarquistas, também estavam grupos políticos ligados à burguesia, o que fez com que a direção de sua política não tivesse nada muito claro e trouxesse muitas derrotas para a esquerda.

Segundo Trótski na época, caso os trabalhadores espanhóis saíssem vitoriosos apesar da política de suas direções, a revolução inevitavelmente teria se espalhado por toda a Europa, gerando medo em toda a burguesia. É por conta disso que uma aliança com os setores burgueses era, e ainda é hoje, totalmente inviável, já que os burgueses jamais permitirão uma vitória dos operários, pois isso significaria o fim de sua propriedade privada.

Ao largo dos três anos de conflito, os fascistas foram ganhando terreno, até que conseguiram controlar praticamente todo o território espanhol e, após sitiarem as maiores cidades, essas acabaram caindo sem muita resistência, como é o caso de Madrid em 28 de março de 1939.

Muitos dos membros da segunda república fugiram para o México, onde instalaram uma espécie de república alternativa.

A Guerra Civil Espanhola tomou conta do imaginário popular, fazendo com que inúmeros movimentos artísticos a reproduzissem e contassem sua história ou de seus conflitos. É o caso de livros como Soldados de Salamina, de Javier Cerca, de filmes como o Labirinto do Fauno, de Guillermo del Toro e Por Quem Os Sinos Dobram de Sam Wood, em músicas, como o punk dos The Clash e em pinturas, como é o caso do famosíssimo quadro Guernica de Pablo Picasso.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas