Coletivização forçada
A repressão aos kulaks, camponeses mais abastados, fez parte da política de coletivização forçada do stalinismo que gerou uma grande fome e uma enorme crise política na URSS
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
kulak
Propaganda soviética contra os kulaks. | Foto: Reprodução

No dia 27 de dezembro de 1929, o representante da burocracia soviética que havia tomado o poder no país, Josef Stalin ordenou a “liquidação dos kulaks como classe”. Este evento fez parte de um das mais famosas e desastrosas políticas do stalinismo, a coletivização forçada no campo. Os kulaks, como eram chamados em russo, são a camada superior dos camponeses, foram os que apresentaram a maior resistência às políticas de coletivização e por isso sofreram duras repressões como deportações e até execuções. Essa política stalinista também desestabilizou completamente a produção de alimentos na URSS gerando uma grande onda de fome no país.

A política stalinista é conhecida pelos seus zigue zagues, sendo os mais famosos os da década de 1930, que começou com a igualação dos nazistas com os socialistas, depois a política foi de aliança até com a burguesia “democrática” contra os fascistas, em seguida o pacto com os nazistas e por fim novamente a aliança com o imperialismo “democrático”. Todas essas políticas foram tomas com base apenas nos interesses da burocracia stalinista e levara a gigantescas derrotas da classe operária. A política interna de Stalin para a URSS também seguiu uma trajetória semelhante.

Inicialmente a burocracia stalinista de 1923 à 1928 negava a necessidade de industrialização apontada pela oposição, que era liderada por Leon Trótski, o argumento usado era de que os camponeses seriam “roubados” e assim quebrada a aliança da cidade e do campo. Ao mesmo tempo os kulaks, também conhecidos como camponeses ricos, iam acumulando riquezas, a maior taxação dessas riquezas em prol da industrialização do país era uma das principais políticas da oposição que era vetada pelo bloco dominante da burocracia. Em 1928 a oposição foi dispersada com base na repressão política, Trótski foi exilado, e assim a política stalinista teve mais um de seus giros de 180 graus.

Agora era necessário a rápida industrialização da URSS em conjunto com a coletivização das terras, a qualquer custo. Foi adotado o primeiro plano de cinco anos, que inicialmente era uma ideia da própria oposição. Assim começou a disputa do Estado com os kulaks, a coletivização forçada significava o confisco das propriedades e de grande parte da produção excedente desses camponeses, resistindo a essa política stalinista os kulaks escondiam ou destruíam os grãos e preferiam abater os animais ao invés de entregá-los ao Estado. Por anos se estabeleceu quase uma guerra civil que destruiu grande parte das forças produtivas (no atraso em que se encontrava a URSS os animais realizavam grande parte da tração) e dos alimentos.

O resultado dessa política foi o enorme crescimento da fome até o ano de 1933, aqui vale combater a propaganda imperialista que alega que neste período, apenas na Ucrânia (uma das repúblicas da URSS), teriam padecido de fome quase 3 milhões de pessoas, o evento é conhecido como o Holodomor. Os números reais são difíceis de encontrar mas estão muito longe do que é propagandeado pelo imperialismo, isso fica evidente pois ao se buscar a origem da figura dos 3 milhões se encontra “pesquisas” de notórios anti-comunistas e também propagandas da imprensa burguesa ao estilo do que é feito com a Venezuela nos dias de hoje onde supostamente há uma enorme fome e mesmo assim a pandemia de Covid-19 mata centenas de vezes menos que no Brasil.

A política anterior de Stalin de não industrializar a URSS desde o principio foi um dos grandes erros que levou a luta dos camponeses contra o Estado pois fortaleceu os kulaks. Contudo a própria forma como seu deu a coletivização também foi criticada por Trótski, afinal para se trabalhar em grandes extensões de terras coletivas é necessário o uso de maquinários como tratores, algo que não existia em quantidade na URSS onde havia um enorme atraso em comparação com os países imperialistas. A coletivização deveria se dar em conjunto com a capacidade industrial do país de produzir maquinário agrícola suficiente para todas as terras algo que nem estava previsto no próprio plano quinquenal. Ou como disse Trótski: “Esta perfeitamente claro que o atual velocidade da coletivização é definida não por fatores produtivos mas por fatores administrativos”.

A política de coletivização forçada do stalinismo gerou uma imensa fome no país em conjunto a uma enorme crise política que poderia ter levado ao fim da própria URSS, foi mais um dos enormes erros do stalinismo. Este acontecimento e muitos outros serão abordados na Universidade Marxista em janeiro e fevereiro de 2020, o tema será justamente “O que foi o stalinismo: uma analise marxista”. Acesse universidademarxista.pco.org.br e inscreva-se neste que é o maior e melhor curso de formação política da esquerda nacional!

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas