Dia de hoje na história
O presidente civil Bordaberry em aliança com os militares dá o golpe fechando o congresso e iniciando a ditadura militar que massacrou o povo uruguaio por 12 anos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Ditadura Uruguay
Soldados em frente a junta militar no Palácio do Governo em setembro em 1973 | Foto: Reprodução

No dia 27 de junho de 1973 foi dado o golpe de Estado no Uruguai, neste dia mais um país da América Latina caía nas mãos dos militares de extrema direita apoiados pelo imperialismo, principalmente dos EUA. O presidente do país Juan María Bordaberry em aliança com as forças armadas fechou o Congresso e, apenas três dias depois, a CNT, Convenção Nacional dos Trabalhadores, a maior central sindical do Uruguai foi posta na ilegalidade. Mostrando, desde o princípio, as tendências fascistas da ditadura, que massacrou o povo uruguaio por 12 anos.

O imperialismo a partir do fim da Segunda Guerra mundial estabeleceu a América Latina como uma área de dominação dos EUA, já em 1945 começaram as intervenções com a primeira derrubada de Getúlio Vargas no Brasil. Em 1954 foram orquestrados golpes na Guatemala, no Paraguai e novamente contra Vargas no Brasil que, dessa vez, falhou devido a enorme mobilização popular após o seu suicídio. O Brasil só cairia nas mãos dos militares em 1964 com o golpe contra Jango, o que teve um enorme impacto na região visto que é o maior e mais importante país.

As mobilizações populares eram intensas em todo esse período e a Revolução Cubana em 1959 foi uma enorme inspiração para toda a esquerda latino americana. No Uruguai isso se refletiu tanto no aumento da luta sindical, com a fundação da CNT em 1964, e também no início da luta armada. Sendo a mais importante organização o Movimento de Liberación Nacional Tupamaros, do qual fazia parte o ex-presidente Pepe Mujica. A crise econômica que havia se iniciado em 1955 havia se transformado também em uma crise política que gerava uma polarização cada vez maior, e assim também surgiam grupos fascistas como os esquadrões da morte e a Juventude Uruguaia de Pé.

Em 1972 os principais dirigentes Tupamaros foram capturados pela polícia que assim neutralizou o principal grupo da luta armada, mas isso não era o suficiente para a burguesia, era preciso uma medida mais dura que destruísse as organizações dos trabalhadores assim como havia sido feito nas outras ditaduras militares como a do Brasil. Já em fevereiro de 1973 houve uma disputa política entre o presidente civil Bordaberry e as forças armadas, que se levantaram contra o governo e o forçaram a assinar o Acordo de Boiso Lanza, que dentre outras medidas criava o Conselho de Segurança Nacional do Uruguai, era o início do golpe que se consolidaria em junho.

Quando o presidente e as forças armadas fecharam o congresso no dia 27 de junho, os trabalhadores se levantaram contra o golpe em uma greve. Convocada pela CNT, durou 15 dias, mas foi derrotada dando início a tragédia em mais um país da América Latina. Não só os partidos foram cassados, sindicatos fechados, a censura estabelecida, como também se estabeleceu o regime de tortura, assassinatos e desaparecimentos que assolou tantos países do continente.

O novo governo rapidamente se alinhou com os governos de extrema direita dos países da região e com o imperialismo através da Operação Condor. A operação terrorista organizada pelos EUA tinha o objetivo de erradicar completamente a esquerda sul americana, ou seja, assassinar, torturar, arremessar de aviões e realizar quaisquer outras atrocidades que pudessem reprimir os trabalhadores latino americanos e suas organizações. As estimativas conservadoras são de 60 mil assassinados, 400 mil presos, inúmeros torturados, mas o resultado foi pior do que a destruição da vida de todos esses seres humanos, foi também destruída toda um geração da esquerda e com ela toda uma possibilidade de melhoria da vida de toda a população.

A ditadura uruguaia caiu em 1985, mesmo ano em que a brasileira, devido às mobilizações populares, mas os militares e a extrema direita recentemente voltaram a ameaçar o regime. A eleição do presidente de extrema direita Lacalle Pou recentemente foi um passo nessa direção. Como no século passado, só há um caminho para os povos da América Latina. Unir-se contra o imperialismo e seus serviçais, pelo Fora Bolsonaro, Guaidó, Áñez, Lenin Moreno, Duque, JOH, Piñera, Lacalle Pou e todos os golpistas!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas