Menu da Rede

São Paulo: vermelho marcou presença em ato por “Fora Bolsonaro”

Polícia Secreta Nazista

26/04/1993 – Fundação da Gestapo, polícia secreta da Alemanha

A Gestapo, ou Polícia Secreta da Alemanha, foi um dos principais órgãos responsáveis pelo Holocausto promovido pelo regime Nazista.

Adolf Hitler, líder do Terceiro Reich discursando para suas tropas durante a Segunda Guerra Mundial. – Foto: Reprodução.

Publicidade

A Polícia Secreta do Estado Alemão – Gestapo (ou Geheime Staatspolizei), foi a força policial secreta oficial da Alemanha Nazista. Fundada no dia 26 de abril de 1933 por Hermann Göring, militar alemão e segundo-homem do Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães, teve como principal objetivo combinar as, até então, várias agências de segurança policial da Prússia em uma única e direcionada organização. Um ano após sua fundação, no dia 20 de abril de 1934, a supervisão do órgão policial passou para Heinrich Himmler, o chefe da Schutzstaffel – ou SS, de forma que a Gestapo deixou de ser uma agência estatal prussiana para se tornar nacional, funcionando como uma espécie de sub-gabinete da Sicherheitspolizei (SiPo ou Polícia de Segurança). Durante a Segunda Guerra Mundial, a Gestapo desempenhou um papel fundamental no plano nazista de exterminar os judeus da Europa.

Em seu primeiro momento, a Gestapo organizou-se em departamentos criados para monitorar grupos considerados perigosos pro governo alemão, através da criação de polícias políticas, tal qual a polícia secreta prussiana da República de Weimar entre os anos de 1919 e 1933. Esta última, por sua vez, foi utilizada contra os dois grupos “subversivos” mais ativos da década de 1920: os comunistas e os conservadores extremistas que hoje conhecemos como nazistas. Entretanto, com a ascensão da popularidade nazista e a ocupação de cargos públicos expressivos por parte de seus integrantes, a perseguição a estes últimos se enfraqueceu. Somente quando Marinus van der Lubbe, um comunista holandês, em 27 de fevereiro de 1933, incendiou o Reichstag (o Parlamento alemão), que os nazistas, enfim, tiveram a desculpa que precisavam para acabar com os direitos constitucionais alemães e, para isso, utilizar de forma ampla e incisiva a Gestapo.

Após a unificação da Gestapo com quase todas outras forças policiais da Alemanha, a mesma foi organizada em seis “Seções” ou Departamentos, núcleos direcionais especialmente especializados. Por exemplo, a “Seção A” monitorava opositores políticos (comunistas, reacionários, liberais e a oposição), enquanto a “Seção B” monitorava seitas e igrejas (catolicismo, protestantismo, maçons e judeus). A “Seção C” tratava do monitoramento de assuntos partidários e da administração da Gestapo (Arquivos, ficha, índices, informações e administração, custódia protetora, assessoria de Imprensa e assuntos do Partido Nazista). A “Seção D” monitorava os territórios ocupados pelos nazistas, a “Seção E” monitorava ações de espionagem na Alemanha e, por último, a “Seção F” tratava do policiamento de estrangeiros e do serviço de fronteira da nação. Sobre sua organização pessoal, era muito comum que os funcionários de algumas seções tivessem carreiras consolidadas dentro da polícia, uma vez que suas habilidades com investigação seriam utilizadas para a finalidade dos nazistas. Os cargos de comando, geralmente, eram dados a pessoas com formação em Direito, sobretudo para aqueles que tivessem doutorado. As diretrizes da Gestapo incluíam instruções sobre como conduzir-se uma investigação, existindo, inclusive, instruções específicas de como obter-se informações em inquéritos conduzidos por sessões de tortura.

Quando da Segunda Guerra Mundial, os membros da “Seção D”, em sua maioria, estiveram ligados ou deram cabo no plano de extermínio de Adolf Hitler e do partido Nazista. Eles faziam levantamentos da população judia local de lugares específicos, organizavam as pessoas e as executavam enquanto os membros da “Seção B” ficavam encarregados de enviar os judeus aos campos de concentração. A Gestapo só viu o fim de suas tenebrosas atividades quando a Segunda Guerra acabou e os Aliados a dissolveram por considera-la uma “organização criminosa”. Muitos de seus membros e funcionários menores foram julgados e presos após a guerra. Himmler e Göring, entretanto, foram capturados, mas cometeram suicídio. Göring chegou a ser julgado e condenado à morte por enforcamento, mas ingeriu uma cápsula de cianureto e faleceu antes de cumprir sua sentença. Mesmo em sua época, a sede da Gestapo em Berlim já era conhecida pela população como “centro de tortura”. Hoje o local é um museu chamado ‘Topografia do Terror”.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.