2.500 novas casas de judeus na Cisjordânia

assentamentos csjrdn

Após o massacre realizado contra a marcha dos palestinos, que matou centenas e feriu milhares de pessoas, o ministro de defesa de Israel anunciou que estão buscando construir mais 2.500 casas na Cisjordânia, uma das maiores áreas da Palestina. Mais uma vez, o Estado sionista leva adiante sua política de roubo das terras palestinas, que na verdade é a própria essência deste Estado, que foi criado artificialmente pelo imperialismo para reprimir milhões de Árabes que ali viviam.

A população palestina já é extremamente concentrada em um território mínimo. A faixa de Gaza, por exemplo, tem quase 2 milhões de pessoas, em uma área de um pouco menos de 370 km². Não bastasse isso, Israel decidiu reduzir ainda mais o território palestino com o assentamento de 2.500 casas de judeus na cisjordânia, o que irá expulsar ainda mais famílias de suas moradias.

A política do Estado de Israel é facilmente comparável à da Alemanha Nazista e à do Estado Sul-africano durante o apartheid. A população vive concentrada em guetos onde não se tem as mínimas condições de vida. São brutalmente reprimidos pelas forças armadas israelitas, que brincam de tiro ao alvo com os palestinos e seus médicos; assassinando crianças; batendo e estuprando mulheres; espancando aleijados; e assim por diante, como comprovam os diversos relatos que são divulgados.

É preciso exigir a extinção do Estado de Israel. Vale lembrar que antes do surgimento deste Estado, palestinos e judeus viviam em um mesmo lugar, em um estado único. A política da ONU e de Israel é uma política terrorista contra um povo inteiro.