25% dos acidentes de trabalho no Brasil são de responsabilidade dos donos dos frigoríficos

produção - vale do taquari - 22-08-2018

Em várias regiões do país, nos vários municípios, correspondendo a cerca de cinco mil fábricas e escritórios, há e um contingente de mais de 500 mil trabalhadores, diretos e indiretos, os frigoríficos são, em grande parte, os principais responsáveis pelo enorme índice de acidentes e doenças ocupacionais.

Em vários estados do país, em relação ao número de acidentes e doenças, os frigoríficos, abatedouros, bem como todo o ramo de produção de carne, tanto bovina, suína e aves, estão em primeiro lugar, conforme informações do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS), Ministério Público do Trabalho (MPT), Fundação Jorge Duprat Figueiredo (Fundacentro), entre esses estados estão: Mato Grosso (MT) e Mato Grosso do Sul (MS).
O número, em média, na maioria dos frigoríficos, em todas as regiões do país é de cerca de 25%, ou seja, em um único ramo da produção no país corresponde, em acidentes do trabalho e doenças ocupacionais do país um quarto de todos os outros ramos de produção, podem-se considerar os frigoríficos como verdadeiros campos de concentração, não como ambiente de trabalho.

Um dos exemplos representativos da situação caótica dos trabalhadores é a do Vale do Taquari, no Rio Grande do Sul com dados de 2012 a 2017, nos anos da pesquisa, os trabalhadores do setor de abate de suínos, aves e outros pequenos animais dos municípios que compõem o Vale do Taquari registraram 2.265 Comunicados de Acidentes do trabalho (CAT). A quantidade corresponde a 25,6% das 8.831 ocorrências envolvendo todas as atividades econômicas da região. Só em Lajeado foram 888 notificações entre 2012 e 2017. É também este o ramo profissional com mais auxílios-doença no município: 56, de acordo com os dados do Ministério Público do Trabalho do Rio Grande do Sul (MPT-RS).

O setor frigorífico é, no entanto, que abrange praticamente todos os riscos constantes dos trabalhos especiais, é de atividade insalubre e perigosa é, também um setor da produção onde as péssimas condições de trabalho caminham juntas com o esforço sobre-humano de exploração dos patrões, visando o aumento dos seus lucro, às custas do sangue dos funcionários.