Menu da Rede

Biden impõe mais sanções a Cuba e recrudesce o bloqueio criminoso

25 de abril de 1974: Revolução dos Cravos põe fim a mais de 40 anos de fascismo em Portugal

Publicidade

No dia 25 de Abril de 1974, chega ao fim a mais antiga ditadura fascista do continente europeu, o regime fascista de Salazar em Portugal.

O Movimento das Forças Armadas (MFA), um movimento de liderado por capitães e oficiais de baixa patente que participaram da guerra colonial travada contra os movimentos de libertação nacional das colônias portuguesas da África (Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Cabo Verde) derrubou o governo de Salazar. O MFA contava com grande apoio popular e mobilizou amplos setores da população contra a ditadura militar salazarista. A chama da revolução ardia em Portugal.

O imperialismo mundial, em especial o norte-americano, ficou amedrontado com a perspectiva de que o país ibérico caminhasse rumo a revolução socialista, que se espalharia por todo o continente europeu. Por isso, atuou no sentido de acabar com a revolução e, na impossibilidade disso, canalizá-la para vias democrático-burguesas. A política do imperialismo funcionou, com a neutralização dos setores mais radicais e o estabelecimento de uma República burguesa e a aprovação de uma nova constituição para o país, que dura até hoje.

O regime fascista de Salazar, uma ditadura burocrático-militar, estivera vigente no país desde 1933. Era um regime decadente e subordinado aos interesses do imperialismo, que baniu os partidos de esquerda do regime político (em especial o Partido Comunista Português), reprimiu os movimentos populares, interveio e incorporou os sindicatos ao Estado, suprimiu todos os direitos democráticos da população e se mantinha no poder por meio de uma intensa repressão a qualquer tipo de oposição política. Além disso, mantinha um regime de escravidão nas colônias africanas, batizadas com o eufemismo de “Províncias do Ultramar”.

A Polícia Internacional de Defesa do Estado (PIDE) mantinha uma repressão constante aos movimentos de libertação nacional nas colônias.  No plano interno, a Direção-Geral de Segurança (DGS) era a responsável pelo terrorismo contra a oposição. Os presos políticos eram enviados às prisões do regime, espalhadas por diversos países. O campo de concentração de Tarrafal, na ilha de Cabo Verde, era famoso pelas condições degradantes e conhecido como  “O Campo da Morte Lenta”.

A queda do regime salazarista significou o fim do colonialismo português na África.

 

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.