Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
1465679145859
|

De acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), o número de jovens, entre 15 e 29 anos de idade, sem oportunidade de emprego e de estudo nos anos de 2017 e 2018 chegou a atingir 24%, ou seja, cerca de um a cada quatro jovens.

Nesse período de tempo, os pesquisadores do DIEESE analisaram a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – PNAD Contínua, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Eles concluíram que a juventude que não está regularmente empregada e nem matriculada em estudos representa 24% dos jovens. Entretanto, dessa mesma parcela, quase dois terços estão envolvidos em atividades de trabalho não remuneradas, como afazeres domésticos, procurando ativamente emprego, em trabalhos com grande rotatividade, como intermitentes e sem carteira assinada, e que estão estudando em cursos irregulares ou de forma autodidata na tentativa de se encaixar no mercado de trabalho.

Os afazeres domésticos (casa, filhos ou parentes) também comprometem a oportunidade de dedicar tempo a estudos e emprego. Entre as mulheres, 31% das jovens trabalham em casa em tempo integral.

Todos os anos, aproximadamente, 2 milhões de jovens concluem o ensino médio. Todavia, dos que concluíram o ensino médio em 2017, cerca de um terço, 36%, não conseguiu emprego e nem se matricular em cursos superiores ou profissionalizantes logo em 2018.

Foi possível perceber também como a origem socioeconômica está relacionada com o ingresso na universidade. Dos jovens oriundos de domicílios mais pobres, somente 5% conseguiu ingressar no ensino superior.

Um dos maiores fatores de instabilidade no emprego são os trabalhos sem condição de vínculo, contrato empregatício. Que tem aumentado significativamente com a Reforma Trabalhista e privatizações. Essas mesmas medidas mexem com o consumo, por sua vez, impactando a circulação financeira de comércios e fábricas. A baixa de salários aumenta a recessão e a alta da gasolina aumenta o preço dos produtos. Gerando uma crise financeira em que o desemprego só aprofunda.

É preciso derrotar o golpe antes que leve dezenas de milhares de pessoas para a miséria como foi a década dos anos 90. Para isso, formar comitês de luta contra o golpe nas escolas e universidades, bairros, postos de trabalho, em todos os lugares.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas