A Revolução de 1930
Crise econômica mundial, queda dos preços internacionais do café, principal produto de exportação e geração de renda para o país. Crise política e tomada do poder
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
220px-Revolução_de_1930 (1)
Getúlio Vargas e outros revolucionários de 1930 | Foto: Wikipédia

O pano de fundo da Revolução de 1930, que levou Getúlio Vargas ao poder, era a República constituída pela política do café com leite, onde São Paulo e Minas Gerais dominavam a arena política.

Por outro lado, a crise e depressão na economia mundial de 1929, levando a queda dos preços internacionais do café, principal produto exportador do país e maior fonte de renda.

Isso levou o presidente do estado de São Paulo, Júlio Prestes a ter uma política de comprar a produção de café através do Banespa, que se tornou o maior portador da safra do governo, causando problemas com as oligarquias de outros estados produtores. 

Essa política tinha a intenção de garantir a renda dos cafeicultores devido a queda nos preços, os outros não tinham o mesmo tratamento que o estado de São Paulo dava aos cafeeiros.

As oligarquias estaduais, onde cada um dos vinte estados tinha um presidente, de acordo com o estabelecido na constituição da república, a chamada velha república que vigorou de 1889 a 1930, é quem determinava a sucessão presidencial, pois os partidos políticos não tinham representação nacional. O presidente em exercício é quem articula com os estados a indicação para a sua sucessão.

Nas eleições de 1930, uma notícia do New York Times de 29 de março de 1929, fez muita diferença. O jornal noticia que os cafeicultores de São Paulo fariam um banquete em Ribeirão Preto ao presidente de São Paulo, Júlio Prestes do partido Republicano Paulista e o apoiaram para presidência  e contavam com o apoio dos demais estados produtores de café.

Pela política do café com leite, o próximo presidente deveria ser um mineiro, Antônio Carlos era o mais provável. Como ele rompeu com o compromisso de falar de eleições só a partir de setembro de 1929, enviando uma carta ao atual presidente da república, Washington Luís, indicando Getúlio Vargas para a presidência. Diz na carta que se tratava de uma proposta conciliadora, pois o candidato não era nem de São Paulo e nem de Minas.

O presidente inicia então o processo sucessório, indicando Júlio Prestes para seu sucessor. Teve apoio de 17 estados, menos o de Minas Gerais, da Paraíba e do Rio Grande do Sul. Aliás a palavra “NEGO” na bandeira da Paraíba é justamente por ter sido negado a indicação de Júlio Prestes.

Os dissidentes articulam uma frente ampla chamada Aliança Liberal, em oposição a Washington Luís e os 17 presidentes dos estados que apoiavam a candidatura de Júlio Prestes. A aliança liberal, com a candidatura de Getúlio, contou com o apoio dos tenentes (o tenentismo) e de intelectuais.

A crise se agrava e as eleições foram marcadas por muita violência, como o episódio promovido pelos “carlistas”, conhecido como o atentado de Montes Claros com mortos e feridos, o atentado da Rua do Espírito Santo e o assassinato do presidente da Paraíba, João Pessoa.

O resultado das eleições deram larga margem ao candidato da situação, Júlio Prestes. Foram mais de um milhão de votos contra pouco mais de 700 mil para o Getúlio.

O resultado foi amplamente contestado com alegação de fraudes, mas o presidente eleito tomou posse e voou para os EUA, sendo referendado. Os opositores começam a conspiração pela derrubada do governo, que dá início à revolução em 03 de outubro em Porto Alegre com a tomada do quartel general da 3ª Região com Osvaldo Aranha e Flores da Cunha no comando.

Entre batalhas país afora, os revolucionários tomam o estado e em novembro a junta militar passa o governo a Getúlio no palácio do Catete no Rio. A constituição foi suspensa e o presidente passou a governar por decretos. Cria o ministério do trabalho, indústria e comércio, dando ares do trabalhismo.

Foram derrubadas as oligarquias dos estados, menos a de Minas, e a república velha, dando início ao Estado Novo.

Modificou-se totalmente a forma de se fazer política no país, e o estado passou a intervir fortemente na economia.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas