Ditadura assassina
Nessa escalada, o terror fascista avança, e, em meio a mobilização e greves da população, pelo menos 983 líderes são ameaçados de morte, e 268 já morreram assassinados.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
protesto-colombia
Manifestações de outubro em Bogotá. | https://vermelho.org.br/2020/10/26/colombia-por-que-a-mobilizacao-massiva-saiu-da-quarentena/

Cinco pessoas foram mortas na noite deste sábado, no setor Caño Caimán, departamento de Sucre, Colômbia, entre os município de San Marcos e San Benito, em uma violenta resposta de proprietários, ao que tudo indica.

O Instituto de Estudos para o Desenvolvimento e a Paz (INDEPAZ), divulgou um relatório que pesquisou até 20 de outubro, em que denuncia 68 massacres em 2020.

Funcionários da Procuradoria-Geral da República acompanhados por tropas do Exército, Aeronáutica e Polícia, foram designados para o local das ocorrências para auxiliar nas investigações, segundo pronunciamento do Comandante da Sétima Divisão do Exército, o General Juan Carlos Ramírez.

O Coletivo Justiça e Direitos, que representa as vítimas em Bolívar, denunciou que entre as vítimas fatais está um advogado que defendeu os interesses dos camponeses que foram objeto do ataque fatal e uma liderança indígena da comunidade de Viloria.

De janeiro a 20 de outubro deste ano na Colômbia, ocorreram 68 massacres, com um saldo de 268 civis mortos, superando os 263 de setembro. Todos espalhados por 18 departamentos colombianos e na capital Bogotá,  com destaque para Antioquia, Cauca, Nariño, Norte de Santander e Putumayo por serem estes os que concentram maior número de assassinatos. É o que diz o relatório produzido pelo  Indepaz – Observatório de Conflitos, Paz e Direitos Humanos. 

O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) têm acompanhado o problema, e, segundo nota comentando os genocídios, observou que em 2017 houve 12 massacres que deixaram 49 vítimas; em 2018 foram 27 com 105 assassinados e em 2019 ocorreram 35 massacres com 113 mortos.

Nos três primeiros meses de 2020, a perseguição e os assassinatos na Colômbia aumentaram alcançando até hoje, mais de 100 mortes em um universo de pelo menos 983 ameaças feitas à líderes sociais, dos quais quase a metade são mulheres. No total, desde 2016, algo em torno de 236 guerrilheiros já morreram assassinados.

Os setores refratários ao Acordo de Paz de Havana ganharam um novo fôlego com a subida ao cargo de presidente do país de Ivan Duque, político ultraconservador ligado ao ex-presidente Álvaro Uribe, e que foi eleito por um processo extremamente fraudulento organizado pela direita, para um mandato que iniciou em 2018 e vai até 2022.

Duque, que se elegeu presidente com o apoio do setor mais reacionário da classe dominante colombiana, está conectado ao paramilitarismo, ao parapolicialismo, e aos grandes criadores de gado, e são responsáveis por esse terror.

Depois que, em 2016, o governo colombiano ratificou o cessar-fogo com as FARC, camponeses e seus apoiadores não param de ser assassinados. Com o cessar fogo a deposição das armas vieram como consequência e condição do acordo. Entretanto, como o governo continuou armado, um grupo paramilitar equipado pela direita, elimina todo aquele que expressamente se opõe à política do governo fascista e ditatorial de Duque e seu antecessor.

Com a desmobilização, em 2017, da maioria dos rebeldes das Farc, muitos passaram a integrar o partido político Força Alternativa Revolucionária do Comum. Algo em torno de 8 mil armas foram depostas e entregues pelos 7 mil membros guerrilheiros à ONU.

Diante de como tudo evoluiu, o ex-número dois das FARC, Iván Márquez, anunciou em 2018, por um vídeo postado na internet e divulgado pelo Canal de Televisão RT, que retomará a luta armada contra o que chamou de oligarquia “excludente e corrupta”.

Segundo ele, o Estado colombiano “não cumpriu nem mesmo as mais importantes de suas obrigações de garantir a vida de seus cidadãos e, principalmente, evitar assassinatos por razões políticas … Em dois anos, mais de 500 líderes do movimento social foram mortos e 150 guerrilheiros já morreram em meio à indiferença e indolência do Estado”. E por conta disso, promete reação. A íntegra do manifesto pode ser conferida no link: https://youtu.be/EeCs8cGtNUs

Preso à dominação estrangeira dos norte-americanos e a essa oligarquia conservadora e fascista, o povo se esforça e luta para se ver livre da opressão que lhe é imposta, e consiga  pôr um fim a esta dominação. Mas está sendo preciso passar por um banho de sangue contra as lideranças comunitárias e aos guerrilheiros, como a que vem acontecendo, para reconhecer a ingenuidade do acordo de paz, e todo o seu esforço em troca de nada.

Várias organizações de direitos sociais e humanos, tanto colombianas quanto internacionais, têm denunciado a falta de proteção do governo, principalmente nas áreas rurais, o que deixa o controle desses territórios nas mãos de grupos violentos.

Mesmo assim, o povo tem ido às ruas e enfrentado a dura repressão policial. As centrais sindicais convocaram a greve nacional por 6 reivindicações para enfrentar a pandemia, o desemprego e a fome, em solidariedade com a greve desenvolvida desde o dia 31 de agosto pelos mineiros de carvão de Cerejón, e para apoiar a Minga para o dia 21 de outubro. 

“Absurdo, em que pais declaram greve e fazem machas em plena pandemia?” assim reagiu a burguesia com a sua imprensa golpista. “Na Indonésia e na Tailândia está a população por centenas de milhares nas ruas”, e assim responderam os sindicatos (e na Nigéria e na Guiné).

A Minga marchou com os trabalhadores, organizações de bairros e jovens de Bogotá, no seu dia. Também se juntaram a eles os misak, vindo no dia anterior para marcharem juntos, e ainda ficaram para o dia seguinte. Eles declararam: “somos a força das pessoas, somos a Minga, somos a greve nacional”.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas