Dia de Hoje na História
O líder do Kuomintang, o Partido Nacionalista, decide pela dissolução das organizações comunistas ativas na China. Os comunistas ganhavam simpatia e adesão das massas.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
maxresdefault
Chiang Kai-Shefk com o presidente dos EUA, Roosevelt, e o primeiro-ministro britânico,Churchil. | Foto: Reprodução

Chiang Kai-Shek dissolveu, em 23 de dezembro de 1940, as organizações comunistas que atuavam na China.

O contexto histórico era o da luta contra a invasão japonesa da China. O Partido Comunista Chinês (PCCh) propôs a política da Frente Única Anti-japonesa ao partido nacionalista, o Kuomintang (KMT). A ideia era formar uma frente única para lutar em conjunto contra o regime fascista japonês, que havia invadido a China para transformá-la em uma colônia. Os japoneses cometiam todos os tipos de barbaridades e atrocidades contra a população chinesa, encarada como uma “raça inferior”.

Chiang Kai-Shek, o comandante das forças militares do KMT, assinalava que os comunistas eram um perigo ainda maior que os próprios invasores nipônicos. Na década de 1930, o KMT realizou três grandes operações militares para exterminar os guerrilheiros comunistas, comandados por Mao Tsé-Tung. A guerra civil entre o PCCh e o KMT durou muitos anos, porém diminuiu de intensidade devido ao Japão, que forçou uma mudança na situação política. É importante destacar que Chiang, apoiado pela burocracia stalinista da União Soviética, foi um dos principais responsáveis pelo massacre do levante dos comunistas em 1927 e a derrota da segunda revolução chinesa.

Com o passar dos anos, o KMT estabeleceu uma ditadura na China e aplicou uma política de coligação com o imperialismo. Na época, o imperialismo tinha como o eixo central de sua política a repressão e o extermínio dos comunistas, que visava impedir uma revolução na Ásia. O KMT dedicou-se a uma repressão feroz contra o Partido Comunista da China.

De 1928 até 1949, Chiang Kai-Shek ocupou a presidência da República da China. Com a derrota do KMT na guerra civil que se seguiu à expulsão japonesa, entre 1945 e 1949, Chiang fugiu para Taiwan, protegido pelo imperialismo. Na Ilha de Formosa, agora proclamada como um país independente, governou de 1950 até 1975.  Em Taiwan, o governo do KMT implementou a perseguição aos comunistas, socialistas e todos os opositores de seu governo.

Com a Segunda Guerra Mundial em andamento, o líder do KMT receava que os comunistas chegassem ao poder, uma vez que  conquistavam a simpatia e adesão das massas, na medida em que se destacavam na luta guerrilheira contra o inimigo estrangeiro. Em uma tentativa de impedir o que viria a ocorrer nove anos mais tarde, Kai-Shek dissolveu pela força todas as organizações comunistas ativas na China. Para ele, os japoneses eram uma doença de pele, enquanto o comunismo era uma doença do coração, ou seja, era um mal mais perigoso.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas