Dia de hoje na História
Após a Revolução Cubana de 1959 e a ascensão de Fidel Castro ao poder as relações sofreram uma progressiva deterioração.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
220px-Fidel_Castro_during_a_visit_to_Washington(1)
A Revolução Cubana é, sem dúvida, o maior e mais importante acontecimento na história das Américas | Foto: Reprodução

A Revolução Cubana é, sem dúvida, o maior e mais importante acontecimento na história das Américas no século XX. A importância da revolução cubana, no quintal do imperialismo americano, deixou os EUA em condições muito vulneráveis e, os EUA passaram a impor sanções econômicas e bloqueios comerciais até hoje.

Há muito existiu relações entre Cuba e Estados Unidos, relações diplomáticas estabelecidas entre que foram iniciadas em 27 de maio de 1902, quando o enviado americano, Herbert Goldsmith Squiers, apresentou as suas credenciais ao governo cubano em Havana. Rompidas em 3 de janeiro de 1961, dois anos após a vitória da Revolução Cubana e Fidel Castro.

Cuba era considerada um Quintal dos Estados Unidos e Base Naval da Baía de Guantánamo. Regida e controlada firmemente pela Emenda Platt, (na Carta Constitucional de Cuba, que autorizava os Estados Unidos a intervir naquele país a qualquer momento em que interesses recíprocos de ambos os países fossem ameaçados).

Desde antes dos movimentos de independência dos dois países, norte-americanos e cubanos já tinham interesses em comum. Planos de comprar Cuba do Império Espanhol eram sempre discutidos nos Estados Unidos. À medida que a influência espanhola declinava no Caribe, os Estados Unidos foram gradualmente conquistando uma posição de domínio econômico e político sobre a ilha, com grande maioria das explorações de investimento estrangeiro e a maior parte das importações e exportações em suas mãos, bem como uma forte influência sobre os assuntos políticos internos cubanos.

Contudo, foi após a Revolução Cubana de 1959 e a ascensão de Fidel Castro ao poder que, as relações sofreram uma progressiva deterioração. O Governo cubano expropriou terras e empresas de investidores dos Estados Unidos, e em resposta o Governo dos EUA adotou um plano de derrubar o regime criado por Castro, que resultou na fracassada invasão da Baía dos Porcos.

Cuba também foi palco do mais perigoso acontecimento que poderia desencadear a III Guerra Mundial, nuclear. A relação cubano-estadunidense se deteriorou de vez na Crise dos Mísseis, que culminou na expulsão de Cuba da Organização dos Estados Americanos (OEA) e a imposição de um embargo dos Estados Unidos a Cuba.

Verdade também que a CIA tentou também eliminar o líder cubano diversas vezes. Dessa forma, a partir de 1959, após a Revolução Cubana, as relações foram se deteriorando substancialmente e desde então se mantiveram em estado de tensão e beligerância.

Sem relações diplomáticas entre os dois países e com Cuba sob um embargo econômico por mais de cinquenta anos, os interesses americanos em Cuba são geridos pela USINT Havana, um departamento de interesses americanos na ilha dentro da embaixada suíça em Havana, com outro departamento similar cubano na embaixada suíça em Washington D.C.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas