21 de setembro 1792 – A Assembleia Legislativa proclama a Primeira República Francesa

capa da república francesa

Em meio ao grande processo da Revolução Francesa, a Assembleia Legislativa vota, em 21 de setembro de 1792, pela abolição da monarquia e estabelece a Primeira República francesa.

Decreto da convenção que aboliu a Monarquia em 1792

O processo revolucionário, iniciado em 1789, foi gradualmente retirando forças da monarquia comandada pelo Rei Luis XVI.

Após a Assembleia Constituinte de 1791, a burguesia, acreditando já ter conquistado as mudanças necessárias, se tornou conservadora. A vida dos trabalhadores do campo e da cidade por sua vez, pouco havia mudado em relação ao período anterior: camponeses sem terra e artesãos e o povo da cidade com fome e morrendo.

Luis XVI tentou retomar seu poder se aliando à Áustria (terra da Rainha Maria Antonieta) e Prússia, que entraram em guerra contra a França.

Nesse contexto, durante o mês de agosto de 1792, uma intensa mobilização destronou o rei, invadiu o palácio de Tuileries e conseguiu a elaboração da Magna Carta francesa e a Assembleia Nacional Constituinte se dissolveu. Em seu lugar se colocou a Assembleia Legislativa.

Povo toma o palácio de Tuileries

A ala mais radical dos revolucionários se arma e assume o poder com o apoio das mobilizações.

Em 10 de agosto, os parisienses atacam o palácio real, detém Luis XVI e exigem que o Legislativo o suspenda das funções. A assembleia então, sob pressão da população, convoca a eleição de uma Convenção Nacional.

Julgamento de Luis XVI

A primeira medida foi a Proclamação da República e a promulgação da nova Constituição (substituindo a de 1791). A burguesia agora tinha maioria dos representantes, tomando o poder do clero e da nobreza.

A divisão entre Girondinos ( grande burguesia aliada a nobreza e ao baixo clero que temia a população) e Jacobinos (setor mais revolucionário, constituído pela pequena burguesia e pelas massas populares liderados por Robespierre, Danton e Marat) colocou em marcha esse novo período da revolução.

A convenção era dirigida, inicialmente, pelos girondinos. Frente a provas da ligação de Luis XVI com o Rei da Áustria, a convenção foi pressionada a julgá-lo traidor.

Os jacobinos, tomando a frente das manifestações populares, exigiram a execução do Rei e de Rainha. Em 1793 foram guilhotinados.