Siga o DCO nas redes sociais

Iluminismo
21/11/1694: nasce o iluminista francês Voltaire
Voltaire foi um dos mais importantes filósofos de sua época, lutou pelo direito de se epressar livremente e teceu duras polêmicas com o velho regime
voltaire
Iluminismo
21/11/1694: nasce o iluminista francês Voltaire
Voltaire foi um dos mais importantes filósofos de sua época, lutou pelo direito de se epressar livremente e teceu duras polêmicas com o velho regime
Voltaire nos seus 41 anos
voltaire
Voltaire nos seus 41 anos

No dia 21 de novembro de 1964 nascia François-Marie Arouet, escritor e filósofo iluminista francês, principalmente conhecido pelo pseudônimo de Voltaire. Um homem que revolucionou a ideologia burguesa, polemizando contra o o absolutismo e a igreja católica. Uma das maiores fontes de inspirações para a Revolução Francesa e Americana.

François nasceu de uma família aristocrata, desde cedo, foi colocado para estudar com os jesuítas no Collège Louis-le-Grand, onde destacou-se pelo seu brilhantismo. Sua vocação para os estudos filosóficos fizeram com que ingressasse na Societé du Temple, de libertinos e livres pensadores. Suas polêmicas e versos livres contra o governo francês causaram sua primeira prisão aos 23 anos, mandado para a Bastilha (1717-1718). Nesse período aproveitou para escrever a tragédia Édipo (1718) e o Poema da Liga (1723).

Suas principais ideias eram de livre expressão, liberdade religiosa, liberdade de mercado (sobre tudo após seu contato com Locke, em seu exílio na Inglaterra), expressas na sua extensa obra literária, cartas e ensaios que somadas chegam a mais de 70 obras. Não é estranho ver atribuído a ele a famosa frase “Posso não concordar com nenhuma palavra do que você disse, mas defenderei até a morte o seu direito de dizê-lo”, cuja origem é de Evelyn Beatrice Hall, sua mais famosa biografa, na tentativa de ilustrar a figura e as ideias do filósofo iluminista.

Voltaire era um polemista jocoso, usava-se da sátira para debater com seus opositores, e uma disputa com o o príncipe de Rohan-Chabot trouxe mais um mandato de prisão e o exílio na Inglaterra, onde desenvolveu sua obra ao entrar em contato com os ingleses, cuja luta contra a monarquia estava em um estágio bem mais avançado do que na França. Das diversas obras que engendrou esse exílio, a mais famosa e polêmica foi a Carta Sobre os Ingleses ou simplesmente Cartas Filosóficas. Crítica duríssima ao regime francês, a obra foi proibida e os exemplares queimados em praça pública, a repercussão foi tão grande que, já de volta ao seus país de origem, Voltaire teve que fugir de Paris e refugiar-se no castelo de Cirey.

Nessa altura de sua vida, Voltaire já era conhecido em toda Europa, o que lhe valeu de vários convites para auxiliar os déspotas esclarecidos, monarcas que na flexibilização de seus regimes viam uma maneira postergar o fim do velho regime já apodrecido pelo desenvolver das leis da História.

A vida de Voltaire foi conturbada com polêmicas e perseguições políticas. A defesa de suas ideais inovadoras foram combatidas pela reação que tentava impedir as revoluções que poriam a baixa a monarquia no continente apenas algumas décadas mais tarde.