Dissolução da URSS
O golpe de estado de 1993, comandado por Boris Ieltsin e apoiado pelo imperialismo, levou ao fim da URSS. Esta é uma herança direta da burocracia stalinista.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
tanque_do_lado_de_fora_da_casa_branca_de_moscou_em_1993_depois_que_yeltsin_aboliu_o_parlamento135025
Bombardeio do Soviete Supremo pelas tropas de Boris Ieltsin. | Getty Images.

No ano de 1993, aconteceu a crise política final que consolidou a dissolução da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS).

O presidente Bóris Iéltsin e o Soviete Supremo, o parlamento da Rússia, entraram em um choque frontal entre 21 de setembro e 6 de outubro. Nestes dias, o desenvolvimento dos acontecimentos colocou o país à beira da guerra civil.

Ieltsin, apoiado pelo imperialismo mundial, buscava uma rápida restauração do capitalismo com a aplicação de uma política neoliberal de choque sob as bênçãos do FMI  e do Banco Mundial, com o que começou a governar por decretos, que não foram reconhecidos pelo Soviete Supremo, representante de outra ala da antiga burocracia soviética. Após a tentativa ilegal de dissolver o Soviete, este último aprova o impeachment de Iéltsin e nomeia o o vice-presidente Alexander Rutskoi como o novo presidente.

As forças armadas, elemento fundamental para determinar quem vai exercer o poder político, estavam sob controle de Bóris Iéltsin. Protestos nas ruas contra Iéltsin são fortemente reprimidos, deixando mortos e feridos. O presidente deposto resolve utilizar-se da força militar para dissolver o Soviete Supremo. Os membros deste último se trancam na Câmara Branca, sede do parlamento, para resistir ao cerco das tropas de Iéltsin. Protestos contra o governo Iéltsin estavam crescendo nas ruas.

Já em outubro, a sede do Soviete é bombardeada por meio de artilharia e tanques de guerra. Os membros do poder legislativo, são presos ou assassinados pelas tropas do Exército e a sede é totalmente destruída.

A dissolução da URSS, o primeiro Estado Operário da história, surgido da insurreição de Outubro e obra de Lênin e do Partido Bolchevique, é uma obra direta da burocracia stalinista. Com o extermínio da vanguarda revolucionária bolchevique pela burocracia stalinista, levada adiante nos anos 30, o país é totalmente dominado por carreiristas que buscam levar adiante uma política de conciliação, de “coexistência pacífica” com o imperialismo mundial. Trótski previu que se não houvesse uma revolução política da classe operária contra a burocracia, que restaurasse o regime soviético, a burocracia se encaminharia para a restauração do capitalismo.

A situação no período imediatamente anterior à crise que leva à dissolução era verdadeiramente catastrófica. A inflação era enorme, motivada pela dependência cada vez maior da economia soviética ao imperialismo. O domínio da burocracia, que desfigurou o Estado Operário, se mostrou terminal para a revolução. A burocracia, uma parasita do Estado Operário, se revelou mortal para seu hospedeiro.

É importante destacar que o bombardeio de Iélstin contra o Soviete Supremo e os deputados que resistiam configura um golpe de Estado ao melhor estilo de Augusto Pinochet. O imperialismo mundial, que busca se proclamar como “democrático”, apoiou e justificou o bombardeio criminoso, para consolidar o domínio da ala mais neoliberal da antiga burocracia. Entretanto, é importante entender que os deputados do Soviete Supremo faziam parte da mesma burocracia que, em conjunto com o imperialismo, dissolveu a URSS para evitar uma revolução política que seria iminente diante do caos político e econômico que tomou conta do Leste Europeu na virada dos anos 80 para os anos 90.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas